LocalSlider

Águas da Ria inundam Porto de Recreio do Carregal (DA)

O Porto de Recreio do Carregal, em Ovar, também está a viver dias muito complicados em resultado do mau tempo dos últimos dias.

A subida das marés levou a água a inundar os armazéns, assim como a própria escola de vela e de canoagem cujas instalações que têm estado submersas, impossibilitando a realização de treinos. As salas directivas também sofreram danos, assim como o restaurante do clube, que tem estado inacessível.

Ontem, Filipe Pereira, dirigente e treinador do CCO – Clube de Canoagem de Ovar, assegurava ao Diário de Aveiro que “as marés estão a invadir-nos as instalações pelo sexto dia consecutivo”, classificando a situação de “frustrante, lamentável e desanimadora”.

O problema não é novo e, segundo ele, “o mau tempo não pode justificar tudo” e a verdade é que, “de ano para ano, a tendência tem vindo a agravar-se, sendo que estas últimas cheias bateram todos os recordes”, alertando Filipe Pereira que é tempo de “alguma coisa ser feita para travar ou conter este fenómeno”.

No fim-de-semana, os atletas do CCO não puderam treinar, pois “não é fácil para os atletas treinarem quando têm de andar com água pelo joelho para chegar às embarcações, os balneários estão imundos e são um atentado à saúde pública com todo o tipo de dejectos espalhados pela água”.

O CCO teve, pois, de cancelar os treinos da formação previstos para os últimos dias, não apenas devido ao mau tempo mas essencialmente porque “os balneários, ginásio e hangar estão imundos, sem água ou luz em função da invasão das águas da Ria”, informou Filipe Pereira que nunca se cansa de enviar palavras de “incentivo para os nossos bravos atletas que, mesmo assim, continuam a lutar contra estas adversidades” mas a verdade é que a falta de respostas para o problema “se está a tornar frustrante”, concluiu.

Filipe Pereira considera que são necessárias “obras urgentes para subir a cota da marina ou dos hangares e balneários, pelo menos”.

O Ministério do Ambiente deverá arrancar ainda este ano com o Projecto de Transposição de Sedimentos para Optimização do Equilíbrio Hidrodinâmico da Ria de Aveiro. “Se a dragagem for bem feita teremos excelentes condições para treinar e realizar provas a nível nacional ou até para receber selecções nacionais em estágio”, avalia, mostrando-se optimista, pois “pode resolver em termos de plano de água, pois esta terá mais por onde ir quando a maré sobe”. (Ler notícia in Diário de Aveiro)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta