SaúdeSlider

Hospital de Ovar quer ficar livre de fumo de tabaco

 

A Comissão Antitabágica do Hospital Dr. Francisco Zagalo de Ovar (HFZ-Ovar), que já definiu no início do ano uma estratégia tendo em vista tornar a unidade livre de fumo de tabaco, sustenta que a sua acção vai proteger a comunidade.

“O conjunto de medidas a implementar enquadra-se nas linhas de orientação do Governo nesta matéria, que quer ver as diferentes instituições integradas no Serviço Nacional de Saúde (SNS) livres de fumo do tabaco até 2020”, afirma a Enfermeira Directora, Mariana Fragateiro, que coordena esta comissão.

Na prática, o que se pretende é que as unidades do SNS reflictam “espaços saudáveis de cuidados de saúde” e garantam “a transmissão de uma mensagem coerente” relativamente aos riscos do fumo do tabaco.

Uma das medidas foi o lançamento da consulta de cessação tabágica, que arrancou em maio – sempre à terça-feira, entre as 09 e as 12h30 -, sendo dirigida aos colaboradores do HFZ-Ovar e aos doentes referenciados pelos profissionais de saúde desta unidade

Para o clínico Valdemar Correia, responsável pela consulta de cessação tabágica, “a luta contra o tabagismo é uma necessidade, numa perspetiva clínica e de saúde pública”.

“Temos de ter uma atitude bastante pedagógica e cativar os nossos pacientes, demonstrando os efeitos maléficos do tabaco. Esta consulta vem, assim, dar resposta a essa situação e esperamos fazer um bom trabalho”, sublinha.

Segundo a enfermeira Cláudia Valente, a nova consulta está a corresponder às expectativas. “Quem procura o serviço já entende porque deve deixar de fumar”, salienta.

“O nosso objetivo não é apenas para aqueles que já estão motivados, mas é também para motivar os fumadores de longo prazo que ainda não estão nesta fase de preparação de deixar de fumar”, acrescenta.

A Comissão Antitabágica do HFZ-Ovar – liderada pela Enfermeira Directora, Mariana Fragateiro – é composta por Ana Paula Sardo (Medicina do Trabalho), Valdemar Correia (consulta de especialidade antitabágica), Rita Soares (psicóloga), Cláudia Valente (enfermeira), Ana Catarina Coelho (nutricionista) e Margarida Alves (comunicação e imagem).

O desafio da Administração Central, a que o HFZ-Ovar aderiu, vai no sentido de que todos os estabelecimentos do SNS definam uma estratégia que lhes permita tornarem-se livres de fumo do tabaco até ao próximo ano. Não só dentro, mas também fora, evitando as imagens de profissionais e utentes a fumar à porta, que têm dado origem a queixas e reclamações.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta