Opinião

Lisboa e o Covid-19 – Raul Almeida

Quando a Dra. Graça sugeriu, sem motivo, nem razões, a possibilidade de uma cerca sanitária no Porto, só as Gentes do Porto se insurgiram. Do resto do país, vieram esclarecimentos esfarrapados e a desculpabilização da senhora. Tivemos a certeza que não houve cerca no Porto, porque não houve razão para haver cerca no Porto. Ninguém se preocupou com quantos habitantes há na região e, em boa verdade, esse nunca deveria ser o critério de decisão.

Lisboa está, infelizmente, a ser fustigada pelo Covid-19. Está manifestamente em risco de contaminar o país inteiro. Os socialistas nos diferentes poderes preferem sacrificar o país a agir sobre Lisboa. As medidas de Costa anunciadas hoje são fracas e manifestamente insuficientes, para além de pecarem por tardias. Fará sentido que não tenha havido restrições à circulação nos feriados, quando já havia inúmeros casos identificados? Fará sentido que milhares de passageiros provenientes de países de alto risco entrem em Lisboa sem qualquer controlo sanitário? Fará sentido que de forma tão arrogante, quanto ignorante ou desonesta, Medina diga que Lisboa e região não pode ser alvo de medidas de segurança por ter 3 milhões de habitantes?

Saberá Medina, e quem usa e aceita este argumento estúpido, quantos habitantes tem uma cidade chinesa média ou Nova Iorque? Fecham-se cidades com mais do dobro dos habitantes de Portugal, mas não se pode tocar nos 3 milhões de Lisboa?

O mais absurdo, é que tudo isto não passa de arrogância profundamente parola e ignorante. Todos os lisboetas e vizinhos teriam mais segurança. É uma situação, como se provou em Ovar, de win – win. Ganharia o resto do país ao não ser contaminado por Lisboa, e ganharia Lisboa ao ter um controlo mais apertado da doença, poupando os locais.

O governo de Costa esteve péssimo no processo de desconfinamento. A permanente dualidade de critérios, com as manifes da esquerda permitidas, o Campo Pequeno cheio, a Festa do Avante autorizada, passou a pior das mensagens ao país, em particular à juventude. Falar grosso depois de ter perdido a credibilidade e a autoridade, vale de muito pouco.

Vamos todos pagar muito caro a irresponsabilidade de meia dúzia. Dos mesmos de sempre.

Raul Almeida
Ex-deputado municipal e ex-deputado na AR pelo CDS-PP

Artigos relacionados

Deixe uma resposta