Domingo , 24 Junho 2018
Ler também:
O Futuro (incerto) do Hospital de Ovar

O Futuro (incerto) do Hospital de Ovar

Pelo que já se tornou público o Hospital de Ovar não integrará a Unidade Local de Saúde de Entre Douro e Vouga (Santa Maria da Feira), desconhecendo-se qual será o seu futuro.

O Movimento Cívico de Cidadãos em prol da Saúde do Concelho de Ovar e a Liga de Amigos do Hospital de Ovar mostram-se preocupados com o futuro do Hospital de Ovar não só porque o Ministério da Saúde, perante o facto da Câmara Municipal não pretender integrar aquela ULS, ainda não ter tornado pública a sua decisão quanto a isso, mas também porque não nos parece que uma gestão piloto proposta pela Câmara seja a melhor opção, por poder embocar na integração no Centro Hospital do Baixo Vouga (Aveiro) ou até colocar em risco o seu futuro.

Foi também tornado público que o Ministério da Saúde não prevê o serviço de Atendimento Permanente (urgências básicas) para o Hospital de Ovar. Tal atitude revela uma desconsideração flagrante e inaceitável para com as pessoas que residem no concelho de Ovar, em comparação com a população do concelho de S. João da Madeira que, por intervenção direta do Partido Socialista no Governo Movimento Cívico de Cidadãos em Prol dos Serviços de Saúde do Concelho de Ovar Liga dos Amigos do Hospital de Ovar usufrui, desde há mais de um ano de um Serviço de Urgência, não obstante tenha menos de metade dos habitantes do concelho de Ovar e diste a muito menor distância do Hospital de referência que serve os dois concelhos.

A par de outras cidades que perderam os seus Atendimentos Urgentes e que lutam por os recuperar, a situação de Ovar é de muito fácil analogia com S. João da Madeira e é de uma gritante e inqualificável injustiça política, social e económica.

Os munícipes de Ovar merecem o mesmo tratamento que os munícipes daquele concelho, tanto mais quando se pensa na integração dos seus hospitais locais na mesma ULS.

O Hospital de Ovar e as Unidades de Saúde Familiar do Concelho já têm hoje os médicos, os enfermeiros e os administrativos que são os agentes necessários para o Atendimento Urgente, integrem-se os serviços de saúde do concelho de Ovar onde integrarem. Por isso mesmo somos levados a concluir que só a falta de vontade política é razão para não se encontrar uma solução para esta lamentável e penalizadora situação dos munícipes de Ovar, porque a questão económica não poderá sobrepor-se aos interesses das populações quando está em causa a saúde.

Mas, querendo colocar-se também a questão económica como importante, ainda mais razão encontraríamos para considerar que a população de Ovar estaria a ser descriminada negativamente em relação à população de São João da Madeira.

Quando a política e os seus agentes não se focam no cidadão não há verdade, não há equidade, não há justiça social, não há democracia.
Exigimos uma resposta rápida e que reponha a igualdade de direitos da população do concelho de Ovar, porque a igualdade de deveres sempre existiu, nomeadamente, no pagamento dos impostos que alimentam o Serviço Nacional de Saúde.
Se todos pagam o mesmo, por que razão não usufruem todos do mesmo Serviço Nacional de Saúde?

Qual é a razão para tão diferenciado tratamento? É conhecida uma razão, pelo menos, mas não queremos acreditar que na política vale tudo e que os munícipes possam ser uma arma de arremesso que os políticos usem para atingir os seus objectivos nas guerras do poder com prejuízo evidente e penoso para as pessoas.

Impõe-se que o bom senso prevaleça e que o Ministério da Saúde integre de imediato o nosso Hospital Dr. Francisco Zagalo e as Unidades de Saúde Familiar do Concelho de Ovar, na ULS de Entre Douro e Vouga, assumindo, como lhe compete, a inequívoca liderança deste processo, e melhorando, em contrapartida, as valências médicas do hospital, fazendo a remodelação do bloco operatório e criando um serviço de Atendimento Prioritário Urgente.

Pelo Movimento e Liga,
António Romão
Carlos Nuno Granja
Carlos Pinto Ribeiro
Fernando Oliveira
José Fragateiro
Manuel Pires Bastos
Maria Luísa Resende
Vitor Amaral

Deixe uma resposta