Quinta-feira , 21 Junho 2018
Ler também:
“O maior espectáculo do mundo”

“O maior espectáculo do mundo”

 

O circo é uma expressão artística, parte da cultura popular, que visa a diversão e o entretenimento dos espectadores. Diz-se que é o maior espectáculo do mundo e, assim, o circo combina muito bem com o teatro de marionetas.
Este ano, quatro companhias houve que apresentaram espectáculos que tinham o circo como principal inspiração. Desde logo a Karromato, companhia de marionetes com sede em Praga, que trouxe ao FIMO o “Circo de Madeira”, numa comunicação sem palavras, utilizando apenas a universalidade do humor e da música e a capacidade expressiva dos próprios bonecos. O processo artesanal da construção das marionetes, os detalhes de acabamento e de decoração e o uso de madeira transportaram o espectador ao passado, valorizando a tradição da técnica.

O espanhol Jordi Bertran apresentou “Circus”, um espectáculo que rende homenagem a um dos grandes personagens do século XX, Charles Chaplin. No 125.º aniversario do seu nascimento, Jordi regressou ao FIMO acompanhado das suas marionetas e palhaços num espectáculo de circo inspirado na música e obra do criador de Charlot.

O Teatro Dodici Lune trouxe o “Transilvania Circus”, um circo de criaturas estranhas: acrobatas lobisomens, fantasmas acrobatas, homens dragão cuspindo fogo e um vampiro transformista. Mas há um som sinistro que distrai os artistas. É o bater de um coração. Talvez o amor seja capaz de despertar os corações de criaturas sem vida?

O brasileiro Circo Poeira contou a história de um circo através das recordações de um “velho Mestre”, que relembra o auge do seu circo, e dessa forma surgem, do fundo de sua memória, os números que compõem o show. O projecto, concebido por Caio Stolai, presta uma homenagem ao primeiro circo utilizando uma mescla de teatro de animação com técnicas circenses. (Fotos BV e DR)

Deixe uma resposta