LocalSlider

Ouviu-se um estrondo e ruiu mais um pouco do cine-teatro

Nem de propósito. Pouco tempo depois do OvarNews ter feito eco das preocupações de Fernando Almeida, o edifício do cine-teatro de Ovar ruiu mais um pouco, mas sem causar vítimas.

“Ouviu-se um grande estrondo”, explicou o líder do CDS ao nosso jornal, acrescentando que pessoas que trabalham nas imediações “ficaram assustadas”. “Foi uma grande coincidência o meu alerta, mas é preciso mesmo fazer alguma coisa: hoje, caíu telhado para o lado de dentro, mas pode ser uma desgraça se cair para o lado de fora numa rua de grande movimento da cidade”, sublinha.

Os Bombeiros foram ao local e confirmaram que o edifício ruiu para dentro. “Colocamos barreiras do lado da Igreja Matriz, porque a parede está cheia de fissuras”, disse fonte do quartel vareiro, que alertou também: “É preciso que alguém tome medidas”.

Depois de mais uma visita da Protecção Civil Municipal ao local, o Município deverá voltar a notificar os proprietários do perigo que representa o imóvel nas actuais condições e que procedam à reparação ou demolição das áreas do imóvel em risco.

Ao Notícias ao Minuto, o vice-presidente da Câmara de Ovar, Domingos Silva, confessou que parte do telhado do Cineteatro ruiu durante o dia de ontem e que o edifício, situado no centro da cidade, “já está sinalizado há muito tempo” e que cada vez mais apresenta “um grau de degradação acentuada”. Ainda assim, garante, “não há risco de derrocada”.

Porém, para as entidades municipais não há margem de manobra, pelo menos por enquanto. A mesma fonte referiu que o Cineteatro “pertence a uma sociedade comercial” e que os respectivos donos já foram notificados da situação, não tendo, para já, tomado qualquer iniciativa.

A Câmara de Ovar deu, por isso, um prazo de oito dias para que sejam tomadas medidas. Se nada se alterar, caberá à autarquia fazer as respectivas obras de requalificação e imputar os custos aos proprietários, algo que poderá acontecer só no final do presente mês, visto que será preciso um parecer favorável a uma tomada de posse administrativa do Cineteatro.

“No entanto, neste tipo de situações, os procedimentos costumam ser mais céleres”, assegurou o vice-presidente Domingos Silva.

Para já, o passeio que circunda as instalações já foi vedado e o perímetro de segurança será alargado, mas sem condicionar o espaço público.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta