Opinião

Só por brincadeira… de Carnaval – Florindo Pinto

Em Esmoriz, cidade da província concelhia de Ovar, apareceu um boneco, inestético mal elaborado, que foi implantado, ao que parece de forma abusiva, na rotunda da Rua dos Castanheiros. Felizmente que as condições climatéricas estiveram de feição e se encarregaram de o desfazer.

Não estranhamos que a autarquia local tenha permitido a implantação e que o boneco por lá se mantenha, como em nada será para estranhar se para o cometimento do abuso nem sequer tenham sido ouvidos. O seu servilismo a Ovar é tal que tudo que venha de lá, para vergonha dos Esmorizenses, é “bem vindo” e sempre aceite. E por que assim é, o uso daquele espaço, por Ovar, transformou uma rotunda num armazém de lixo, perante a passividade de autarcas servis que tudo aceitam desde que seja ditado pelos “moradores” do edifício da Praça da República. É que, em verdade, com estes autarcas servis a Ovar já um pouco de tudo se pode esperar. Mas 2017 não está longe e nós queremos cá estar para isso lembrar.

Questionamos sobre o assunto, e pretenderam dizer-nos que aquela “coisa” era alusiva ao Carnaval de Ovar. Se é, ou era, um anunciar do carnaval, porquê e para quê ali ter sido instalado. Algum dia a festa de Carnaval, que na cidade de S. Cristóvão de Ovar, se vem a realizar há longos anos, “disse” alguma coisa a Esmoriz? Algum dia Esmoriz se fez representar nos seus cortejos? Algum dia Esmoriz deixou de discordar dos gastos que a Câmara de Ovar tem suportado?

Nós percebemos a intenção. É que desbaratam-se milhares e milhares de euros, que ultrapassam o meio milhão de euros, na festa, que é só deles, e para o “atirar de areia aos olhos”, os novos autarcas vareiros, vão-se servindo da “fidelidade” dos seus comparsas locais, para insinuar que a festa é de todo o concelho, e por que “eles” querem que assim seja, todos devem suportar os seus custos. Brincadeira, tem hora e tem espaço. Nós precisamos de aplicações sérias dos recursos que, cada vez mais, vão escasseando.

A Câmara de Ovar, que devia ser Municipal, gasta em “folias” o que muita falta faz em muitos e diversificados outros campos da vida comunitária. Se Ovar quer festa, que suporte os seus custos. Nada mais temos que ver ou a ver com essa vontade. Brinquem ao Carnaval mas paguem do vosso bolso aquilo que gastam. Não brinquem com os “provincianos”, usando o seu dinheiro e depois lhe fecham as portas.

Se a festa, como dizem, é do concelho paga pela Câmara, por que é que um qualquer cidadão morador na área do concelho, tem de pagar para ver o que é seu? Aquelas portas só são franqueadas aos moradores na cidade de S. Cristóvão de Ovar. Os outros terão de mais pagar para se certificarem do modo como foi gasto/desbaratado o seu dinheiro.
Onde estão disponíveis, para serem entregues aos moradores no concelho, os documentos de acesso?

Mas, para nós Esmorizense, o insulto dos colonizadores/exploradores, é mais grave do que aquilo que possa parecer. É que para o local onde estes autarcas colocaram o boneco, já transformado em lixo, está deliberado pela Câmara Municipal a implantação de um Busto que perpetue a figura de um benemérito que à Misericórdia de Ovar, por testamento de 8 de Janeiro do ano de 1925, “deu” um saco de dinheiro.

Sabem os ovarenses, o porquê de existir na cidade de S. Cristóvão de Ovar, uma rua denominada de: Alexandre de Sá Pinto?
Os autarcas, se responsáveis, devem deixar-se de “brincar” e executar o deliberado, por merecido. Preciso é, mais solidariedade, mais obra e menos festinhas.

Florindo Pinto (Esmoriz)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Leia também

Close