Quarta-feira , 23 Agosto 2017
Ler também:
Uma Festa para celebrar a Cidade

Uma Festa para celebrar a Cidade

O FESTA 2017 tinha acabado de arrancar. Numa primeira volta que deu, “vale  a pena ir ao Jardim  do Cáster, pela decoração formidável”, analisou o vereador da Cultura, Alexandre Rosas.

Destaque mereceu-lhe ainda as produções feitas para o FESTA, “uma é deambulante e tem um concerto final e a outra é o espectáculo Chuva que tem a particularidade de ser criado,  feito e pensado para o FESTA por pessoas de Ovar”. “É o que eu gostava que tivesse mais sucesso e as pessoas apreciassem, pois é um produto que é nosso”.

De Chuva, o vereador da Cultura da Câmara Municipal de Ovar ainda não viu nada, mas “tem a garantia de ser um trabalho da comunidade, já o fizemos antes, há uma evolução, e a verdade é que alguns destes produtos têm futuro, não são efémeros e morrem no FESTA, por isso valorizo e fazemos muito por isso”. “É algo criado por nós e para nós”.

No geral, “o que pretendemos é que seja uma FESTA, pois foi tudo pensado para ser um festa de rua. Somos conhecidos pelo Carnaval mas também queremos sê-lo pela nossa actividade cultural”.

FESTA, diz Alexandre Rosas, “é já um nome conhecido a nível regional e nacional, não digo internacional, mas tivemos companhias estrangeiras que já por cá passaram e gostaram, pelo que não tenho dúvidas da qualidade da nossa programação”. “Fizemos um investimento um pouco maior num conceito que é para todos, mas é algo que tem o seu caminho. Não é para trazer grande massas, que são importantes, mas acima de tudo, é um projecto que vai crescendo”.

Recordou a primeira edição que teve um dia com 19 horas consecutivas de programação, e daí tirou ilações: “Percebemos que tinha potencial para mais dias, como repetir os espectáculos em mais dias, pois já estavam pagos”.

“Este é um caminho para se ir fazendo sem grandes loucuras, lentamente, com critério, para que possa ser sustentável”.

E não menos importante: “Essa preocupação de celebrar a cidade, pois antecede o feriado municipal, levando os espectáculos a espaços diferentes. Usamos este ano, pela primeira vez, o parque urbano, que com a cafetaria se tornou mais aprazível”.

E por fim, uma palavra para a equipa que põe o FESTA na rua: “Agradeço a esta equipa que preparou tudo, e agora é para as pessoas usufruírem, porque isto não é da Câmara, ou do Alexandre ou do Salvador Malheiro, é para todos usfruirem e quanto mais passarmos a palavra melhor”.

(Na foto: Cais do Sodré Funk Connection na Praça das Galinhas)

Deixe uma resposta