Política

CDU: Candidatos “vareiros” apresentados

A CDU apresentou, na praia do Furadouro, os seus candidatos vareiros às próximas eleições legislativas. Para além da candidata Juliana Silva, educadora de infância, a iniciativa contou com a participação de Manuela Silva, mandatária da candidatura, Miguel Viegas, cabeça de lista da CDU e Mafalda Guerreiro, do comité central do PCP e responsável pela DORAV.

Na sua intervenção, Juliana Silva destacou as “muitas batalhas travadas pela população vareira em defesa do seu hospital, pela melhoria dos serviços da CP, da rede viária ou ainda na luta pelos terrenos da Marinha ameaçados por uma intervenção desastrosa da Agência Portuguesa para o Ambiente”.

“Nestas batalhas estiveram sempre presentes os activistas e eleitos da CDU. Hoje é tempo de reconhecer esta marca distintiva da CDU que trabalha ao longo de todo o mandato, junto das populações e independentemente do calendário eleitoral”, sustentou.

Miguel Viegas, que residiu no concelho durante largos anos, sublinhou as possibilidades reais de eleger um deputado por Aveiro. “Um deputado que irá reforçar a correlação de forças que permitiu vários avanços na recuperação de rendimentos e direitos. Se hoje a população vareira reclama, com toda a justiça, a redução dos passes na CP, isto deve-se à aprovação de uma velha medida do PCP que só nesta legislatura encontrou condições para ser aprovada” lembrou.

“O concelho de Ovar dispõe de uma situação geográfica altamente favorável. Tem enormes potencialidades em sectores tão diversos com a pesca, agricultura, industria e turismo. Faltam políticas de apoio a estes sectores que rompam com os constrangimentos que pesam sobre a sua actividade. As nossas propostas vão neste sentido”, sublinhou Miguel Viegas.

A CDU apresenta-se a esta eleições com uma lista renovada com mais mulheres e jovens e com um programa assente em décadas de intervenção na região. Sem entrar no detalhe, Miguel Viegas destacou três que se relacionam com o concelho de Ovar: a criação de um Plano de Ordenamento para a Ria de Aveiro, uma aposta do sector agro-florestal, com o plano de regadio do Baixo Vouga e a reorientação do próximo quadro comunitário para os circuitos curtos de produção e comercialização e para a floresta e finalmente um plano de reindustrialização do distrito apostando nos sectores tradicionais onde existe mão de obra altamente qualificada.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta