CulturaSlider

Deambular nas ruas de Macau no Museu

 

A exposição “Pelas Ruas de Macau” do fotógrafo de rua, Rui Palha, pode ser visitada no Museu de Ovar até dia 5 de março. Rodolfo Faustino, do Centro de Promoção e Informação Turística de Macau, que se deslocou a Ovar para a inauguração, explicou que a mostra inclui-se num projecto que visa a divulgação, através da “sensibilidade do fotígrafo”, das “várias vertentes do património de Macau”, considerando a importância turística de uma região que recebe “30 milhões de turistas por ano”.

A exposição, organizada pelo Centro de Promoção e Informação Turística de Macau, em conjunto com a Associação Fotografia e Cultura de Alcochete (AFCA), reúne um espólio com mais de 300 trabalhos sobre esta viagem de Rui Palha ao território que está sob administração da China, em 2013, a convite da “Society of World Ethnic Chinese Photographers”.

O Museu de Ovar acolheu, com a sua habitual simplicidade, mais um momento cultural que se transformou num verdadeiro convívio de amantes da fotografia.

Rui Palha nasceu em 1953 e dedica-se quase a tempo inteiro à fotografia de rua, desde 2001. Para o autor, “a fotografia faz parte integrante do meu espaço, é descobrir, é captar, dando vazão ao que o coração sente e vê num determinado momento, é estar na rua, experimentando, conhecendo, aprendendo e, essencialmente, praticando a liberdade de ser, de estar, de viver, de pensar”.

O presidente da Assembleia de Freguesia da União das Freguesias, José Fragateiro, deixou o convite ao autor para que “regresse a Ovar com mais tempo para conhecer melhor” as paisagens e riquezas naturais, o património cultural e gastronómico e os diversificados eventos culturais, “incluindo as marionetas” lembrou. Já Bruno Oliveira, presidente da União das Freguiesias, em poucas palavras, preencheu um sentimento comum ao lembrar e enaltecer o empenho diário das funcionárias da casa, Leonor e Lurdes.

Sobre a obra exposta a preto e branco de Rui Palha, o autarca realçou ser por isso de “expressão mais difícil”, para, “transmitir o sentido do fotógrafo”. Mas sobre o autor Rui Palha, que se mostrou muito agradado com a forma como continua a ser recebido em Ovar pelo Museu de Ovar, usou também da palavra Fernando Gonçalves da AFCA – Associação Fotografia e Cultura de Alcochete, a quem coube falar do artista como “humilde” e “aprendiz” já que não aceita o epíteto de mestre da fotografia.

JL

Artigos relacionados

Deixe uma resposta