CulturaSlider

Fontes dos Combatentes e Júlio Dinis são palcos do FIMO

[themoneytizer id=”16574-1″]

A 13.ª edição do Festival Internacional de Marionetas de Ovar – FIMO, evento promovido pela União de Freguesias de Ovar, São João de Ovar, Arada e São Vicente de Pereira Jusã, apresenta dois novos locais ao ar livre para ver os espectáculos. Trata-se da Fonte dos Combatentes, junto da escola com o mesmo nome, e a Fonte Júlio Dinis, local onde o escritor passava os seus dias em Ovar, no lugar do Casal.

“A Fonte dos Combatentes, por exemplo, tem uma escadaria com capacidade para 200 ou 300 pessoas sentadas e é no fontanário em baixo, ao fundo, que se vai desenvolver o espectáculo, o que significa que todo o local funcionará como um anfiteatro”, explico ontem, em conferência de imprensa, Nuno Pinto, director artístico do certame. Na Júlio Dinis, decorrerá um espectáculo de menores dimensões.

Além desta, o FIMO reforça também a sua componente em sala para levar espectáculos tecnicamente mais exigentes a locais como o Centro de Arte de Ovar e os claustros da Centro Escolar dos Combatentes.

Nuno Pinto garante que a presente edição do FIMO conta assim com “o maior e melhor programa de sempre, continuando a manter o foco nos espectáculos de rua, mas alargando o festival a mais locais da cidade, sejam eles em recinto fechado ou ao ar livre”.

A edição de 2019 do FIMO vai decorrer de 07 a 09 de junho e levará a salas, praças e fontanários da cidade 71 espetáculos gratuitos por 38 companhias de 14 países. A programação principal contará este ano com companhias de Portugal, Espanha, Israel, França, Chile, Bélgica, Argentina, Itália, Brasil, República Checa, Uruguai, Alemanha, Venezuela e China. Já a secção FIMO Off, reservada para apresentação de artistas emergentes que actuam sem cachê, integra duas companhias venezuelanas e três de origem portuguesa, argentina e brasileira.

Entre os destaques do cartaz oficial de 2019 inclui-se o espetáculo “Puppet Collection Highlight”, que contará com oito actores da companhia chinesa Yangzhou Pupetry Institute, fundada em 1957 e actualmente reconhecida como o maior e mais prestigiado colectivo profissional de marionetistas desse país.

A performance anunciada para Ovar irá explorar a tradição chinesa das marionetas manipuladas com recurso a varas de madeira e, contando na sua digressão internacional com o apoio do Observatório da China, foi diversas vezes premiada por representar o que a companhia define como “património cultural imaterial protegido”.

Outros destaques do FIMO de 2019 são “Vida”, do espanhol Javier Aranda, que recorre à morfologia das próprias mãos para criar personagens expressivas, ao mesmo tempo sensíveis e cómicas, e “Hullu”, em que três actores da companhia francesa Blick Theatre interagem com diversas marionetas, numa história sem palavras com grande componente cénica.

Sky Bird Puppet Group (China), Pizzicato Teatro (Argentina), Rasid Nikolic (Itália), Theatre Magnetic (Bélgica), Cia. Tu Mateixa (Brasil), Pavel Vangeli (República Checa) e Maayan Iungman (Israel) são outros dos coletivos que marcarão presença no festival.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta