Terça-feira , 19 Setembro 2017
Ler também:
Mestre Marcão: “Vesti a camisola da tricampeã”

Mestre Marcão: “Vesti a camisola da tricampeã”

Cerca de uma centena de pessoas oriundas de diversas partes da Europa (França e Alemanha incluídas), marcaram presença no workshop de percussão de Mestre Marquinhos, da Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, neste fim-de-semana, numa organização da Escola de Samba Costa de Prata (ESCP).

Surpreendido com tudo o que rodeou a sua presença em Ovar, Mestre Marcão, nunca pensou sequer que esta visita podia acontecer. “Comecei a acreditar quando o Siro falou comigo sobre esta possibilidade e aí eu fui falar com o Carlinhos que já cá tinha vindo e me disse que aqui gostavam de mim para caramba”.

Houve obstáculos que surgiram e quase impediram a concretização, “mas depois a minha esposa deu uma força e eu vim”. Em declarações ao OvarNews, classificou a experiência de “maravilhosa, para mim e para eles, porque é uma partilha de conhecimento e de experiências do que eu vivi e aprendi e agora eu vou aprender com eles e com o que eles têm”. Do que viu, Marcão sabe que a Costa de Prata trabalha na base da “superação, subir sempre mais um degrau”, e garantiu: “Eu já vesti a camisola da Tricampeã e até estive com o Prefeito no colo”.

O sambista carioca defendeu que “o samba precisa destas parcerias, de pessoas que nos ajudem a evoluir e esta iniciativa é isso” e pediu “às câmara municipais que promovam e não deixem morrer estes intercâmbios”.

Mestre Marcão garantiu que já conhecia o Carnaval de Ovar e a Costa de Prata pelas redes sociais, “porque nós temos curiosidade. E apreciei muito o que vi”.

“Quando o Carlinhos cá veio eu fui lá saber junto dele: Como posso ajudar? Penso que, em cada dia, aprendemos sempre mais”. Pela sua parte, a disponibilidade da partilha foi total: “Não posso levar para o caixão o que eu aprendi com o meu pai, mestre Louro, o primeiro mestre da bateria do Salgueiro”.

Já a seguir as pisadas do pai, Mestre Marquinhos mostrou-se muito feliz por poder “conhecer outras culturas e ver o que as escolas de samba de outros países fazem. Para mim, é uma oportunidade e só tenho a agradecer porque estamos muito felizes de estar aqui”.

O presidente da ESCP, Rui Mané, assegurou que a presença de Mestre Marcão “significa muito e para mim muito mais, porque estou à frente desta bateria há 14 anos e penso que agora estamos prontos para receber os ensinamentos do mestre, coisa que há uns 10 anos não estaríamos”.

O que viveram estes dias “vai enriquecer a ESCP e não só, pois podíamos fechar a porta para só nós beneficiarmos, mas abrimo-nos a todas as escolas a possibilidade de evoluírem também”, pois os workshops foram partilhados, incluindo todas as escolas de samba do país.

“Uma coisa é a gente ver nas redes sociais, mas outra é estar presente e poder tirar dúvidas e perguntar a um mestre a sério”, destacou Rui Mané que não tem dúvidas de que estes “foram dias históricos”.

O tesoureiro da ESCP, Pedro Maia, agradeceu aos patrocinadores e a todos que “nos apoiaram nesta organização, pois sem eles não seria possível”. Por outro lado, não esqueceu que “esta vinda a Ovar aconteceu pela persistência da Gabriela e do Bruno Mourão, dois associados da Costa de Prata, que sonharam e acreditaram sempre que seria possível, o que permitiu que a escola também cumprisse esse objectivo”.

“Depois foi preciso fazer um grande esforço e acreditar sempre que era possível mesmo quando surgiram grandes obstáculos…”

ENTREVISTA

mestreA visita gerou grande expectativa, mesmo junto dos mais jovens integrantes da escola vareira. Di Mirim foi um dos que acompanhou as duas ilustres visitas desde a primeira hora e até lhes fez uma entrevista rápida. Obrigado Di Mirim! Ora leiam:

Mestre Marcão: «Meu maior sonho é pegar a 10.ª estrela»

Onde tudo começou?
– Eu segui as pisadas do meu pai (Bira de Xuxa), que já havia sido Mestre de Bateria do Salgueiro.

Qual é o seu instrumento favorito?
– É o Surdo de 1ª e de 2ª.

Há quantos anos anda na bateria do Salgueiro?
– Já desfilo na bateria do Salgueiro há 37 anos.

Foi difícil entrar para Mestre de Bateria da Furiosa?
– Não, pois tal como você vem do berço da comunidade do samba, eu também cresci a ver o meu pai ser Mestre de Bateria do Salgueiro.

Qual é o seu maior sonho?
– Meu maior sonho é pegar a 10.ª estrela (melhor bateria do Grupo Especial).

Mestre Marcão, “só entende quem é Salgueiro?”
– Obviamente!!!

Mestre Marquinhos: «Quero seguir as pisadas de meu pai”

Há quantos anos anda nos Aprendizes do Salgueiro?
– Ando desde os 7 anos.

Começou com que instrumento, com o chocalho ou com outro?
– Com o chocalho, sempre!

Quer seguir as pisadas do seu pai?
– Sim, pretendo.

Qual é o seu maior sonho?
– Ser feliz, em qualquer circunstância.

Mestre Marquinhos, o que quer ser quando for grande?
– Depois de terminar a faculdade, o futuro o dirá.

O Salgueiro é a sua segunda casa?
– Não, é a primeira!

Mestre Marquinhos: “só entende quem é Salgueiro?”
– Claro que sim!!!

Por Di Mirim

Deixe uma resposta