PolíticaSlider

PJ investiga Luís Filipe Menezes

 

Luís Filipe Menezes estará agora debaixo da pressão da Justiça, depois do Ministério Público ter aberto um inquérito crime: há suspeitas de corrupção no enriquecimento pessoal.

O Correio da Manhã avança na edição de hoje que a Polícia Judiciária está a investigar o património de Luís Filipe Menezes, que é suspeito de corrupção no enriquecimento pessoal.

O jornal concretiza a suspeita das autoridades e escreve que o património que o antigo autarca de Vila Nova de Gaia afirma ter, assim como aquele que também lhe pertencerá, mas que está em nome de familiares diretos, todo esse património não é compatível com os vencimentos que o antigo governante declarou às autoridades.

De acordo com o Correio da Manhã, a Polícia Judiciária (PJ)estará ainda a investigar dois negócios concretos. Um primeiro relacionado com o material de propaganda usado na última campanha autárquica, material esse que poderá ter sido pago com dinheiros públicos. E ainda um outro negócio, uma relação comercial pouco clara com uma empresa de comunicação de Vila Nova de Gaia.

O Correio da Manhã afirma que, nesta altura, a investigação sobre Luís Filipe Menezes está ainda numa fase inicial. Adianta que ainda não foi constituído arguido, mas que as autoridades judiciais já pediram o levantamento do segredo sobre as contas bancárias do antigo governante e autarca.
Luís Filipe Menezes ainda não se pronunciou sobre o tema e dá, esta semana, uma entrevista à revista VIP, na qual fala não só da sua vida pessoal como do seu trajecto enquanto político.

Foi o “clima permanente de conspiração interna” que, revela, o fez afastar-se da política ativa, à qual promete não voltar, depois de ter perdido a corrida à liderança da Câmara do Porto.

“Vejo pessoas que me eram distantes e hoje são mais corretas comigo e vejo outras que, quando chegaram ao pé de mim, não sabiam sequer pegar no biberão e hoje nem me conhecem. A essas pessoas eu dei o biberão, ensinei a andar, a falar, a correr, a saltar e hoje não conhecem nem o meu número de telefone, nem a minha morada”, desabafa, citado pelo jornal i.

Questionado sobre o porquê de nunca ter chegado a primeiro-ministro, o médico pediatra nascido em Ovar é claro nas palavras. “Não pertenço a nenhuma seita, nem a nenhuma sociedade secreta. Não tenho acordos de bastidores. (…) Quem não entra nesse jogo de interesses, dificilmente pode chegar alto”, justifica.

Lançando, ainda, algumas críticas a Rui Rio, manifestamente alguém que toma (ou já tomou) como adversário, Luís Filipe Menezes afirma: há políticos que “aspiram a ser Presidente da República, cujo livro mais profundo que leram foi o Pato Donald. Pergunto a mim próprio porque é que perdi tanto tempo a ler Hemingway ou John Steinbeck, entre outros grandes nomes da literatura”, atira menezes que estará em Ovar no sábado, para participar nos 40 anos do PSD.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta