Cultura

18.ª edição do FEST – Festival Novos Realizadores arranca em Espinho

Após dois anos de pandemia e uma constante procura por alternativas e soluções, FEST está de volta, totalmente centralizado em Espinho, e regressa mais maduro e crescido, afinal de contas esta é a sua 18ª edição. Para tamanha ocasião desenvolvemos um programa de cinema extenso e para todos os gostos e idades. A nossa competição Lince de Ouro está repleta dos grandes títulos do ano, e as competições internacionais e nacionais de curtas-metragens são das mais intensas de sempre. Um dos grandes focos da programação é a Ucrânia, representada na secção Be Kind Rewind, inteiramente focada numa extensão do Festival de Odesa. A Tunísia também assume grande destaque, na secção Flavours of the World, onde vamos exibir uma série de títulos da era pós Primavera Árabe. E regressam também o FESTinha, secção para crianças e adolescentes, e as sessões de cinema ao ar livre no FESTival Village.

Em 2022, a normalidade anormal instala-se no FEST com as sessões especiais de abertura e encerramento. Dois dos filmes mais curiosos dos últimos anos, incluindo o êxito do momento em Espanha – “Lullaby” – um drama emotivo sobre a maternidade descrito por Pedro Almodovár como “a melhor primeira obra espanhola em vários anos”; E, um dos maiores sucessos do Festival de Veneza – “Sundown” – o regresso do mestre Michel Franco num trabalho deveras poderoso mas subtil que conta com performances de luxo de Tim Roth e Charlotte Gainsbourg.

A competição Lince de Ouro está repleta de grandes títulos, com as primeiras obras mais badaladas, imperdíveis e distinguidas do momento. A competição Lince de Prata de curtas-metragens nacionais e internacionais apresenta também uma das seleções mais intensas de sempre, com as subsecções de FicçãoDocumentárioAnimação e Cinema ExperimentaNão Narrativo.

Cinema Português tem destaque na maioridade do FEST

Um dos principais objetivos do FEST continua a ser promover e desenvolver de forma sustentada o cinema português, potenciando e promovendo novos cineastas e criando novos públicos. Na programação do Grande Prémio Nacional assistimos a vários regressos, como são os casos de Guilherme Daniel com “Os Abismos da Alma”Débora Gonçalves com “A Felicidade e Coisas Mórbidas”; e Gonçalo Almeida com “A Rapariga de Saturno”, entre outros. O programa conta, por exemplo, com a estreia de “The Event”, co-realizado pelo espinhense Hugo Sousa.

Salomé LamasBasil da CunhaPedro Augusto AlmeidaDiogo Costa AmaranteJorge QuintelaRita QuelhasIco CostaPedro LinoMariana GaivãoBruno CarnideRicardo Leite ou Bernardo Lopes, são todos nomes que recentemente contribuíram para tornar Portugal num foco de criatividade cinematográfica a nível mundial, e todos já passaram pelo nosso “filtro”.

Além da competição dedicada ao talento nacional, são ainda perto de 20 filmes portugueses nas restantes secções competitivas e não competitivas, com destaque também para a exibição em estreia da série Sem Filmes.

De 20 a 27 e junho todos estes novos talentos do cinema nacional e também internacional vão estar em Espinho.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo