CulturaSlider

A segunda vida da livraria Doninha Ternurenta

O mentor da livraria Doninha Ternurenta é o escritor vareiro Carlos Granja, mas desengane-se quem pensa que vai encontrar os seus livros em lugar especial. “Os meus livros não estão em destaque, porque considero que o mais importante são os leitores… Se não houver leitores, não adianta escrever”.

A Doninha Ternurenta já tinha tido uma primeira aparição fugaz, mas agora é que Carlos Granja considera estarem reunidos os predicados para uma vida mais consistente.

“Esperemos que esta seja uma encarnação mais duradoura, pois este é um projecto que faz parte de um sonho que eu tive, que se foi alimentando de livros”. Na inauguração do passado dia um, Carlos Granja confessou-se ao OvarNews: “Tudo porque alguém se foi habituando a lidar com os livros, primeiro a ler e posteriormente a escrever”.

“Estou embrenhado neste mundo literário que adoro, apesar de todas estas vicissitudes, dos desânimos e dos
desalentos, mas há sempre um mundo mágico que nos agarra a mente e o corpo todo”.

Não faz parte da sua natureza desistir à primeira. Quando o primeiro projecto não resultou, Carlos Granja pensou: “Vou restaurar isto e vamos renascer”. Procurou um espaço em Ovar que permitisse abrir de uma forma sustentada. “Daqui surgiu esta ideia de combinar as coisas com a Geny e conjugamos as várias vontades”.

“Ela disse logo que sim e aqui estamos. Oxalá as pessoas adiram, pois sabemos como são as livrarias, mas são uma paixão e, neste caso, estamos juntos com a família e os amigos, neste caso, a Geny”.

Resta esperar que as pessoas dêem uma resposta positiva. O espaço é apelativo, com uma decoração simples feita de caixas de madeira – “uma alusão à antiga mercearia da minha mãe, no Lamarão”.

As pessoas podem entrar e ler e comprar, “mas se não comprarem não levamos a mal (riso). Vamos ter um cházinho, workshops, etc”, adianta.

Entretanto, Carlos ultima “A Raposinha Matreira tornou-se Cantadeira”, novo livro que vai ser lançado a 17 de dezembro. “É um livro para crianças muito mimoso”, descreve.

GS Joalharia de Autor, de Geny Seixas, é a outra metade deste projecto instalado nas Galerias Cáster. Ali, a artesã vareira tem a sua oficina, ela que faz design para marcas de ourivesaria com renome. “Faço joalharia de autor em diversos materiais, como cobre, latão, filigrana, banhos de prata e de ouro, etc”, explicou-nos.

“Tenho as bonecas que são aqui feitas e também vou ter uma linha de calçado com filigrana”, acrescenta.

Geny Seixas vai trabalhar ao vivo, porque é tudo feito manualmente, com “a vantagem das pessoas poderem ver e encomendar uma peça ao seu gosto”.

Boa sorte aos dois!

(Fotos. JL)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta