CulturaSlider

Alexandre Rosas quer cativar público para o Centro de Arte

A nova temporada do Centro de Arte de Ovar abriu com casa cheia. “A Rua da Emenda” de António Zambujo, esgotou a sala, o que nem sempre sucede. Segue-se, este sábado, teatro com a peça “É impossível Viver”, a partir de Franz Kafka, com o vareiro Sérgio Praia e João Lagarto, e a promessa de nova enchente.

O vereador da Cultura, Alexandre Rosas, diz que o seu objectivo é atrair cada vez mais público ao CAO. Isso nem sempre é possível, mas “uma coisa é certa, eu quero dar o melhor às pessoas, porque é meu entendimento que elas devem ter acesso ao melhor”.

Reconhece, todavia, que “este é um trabalho que demora o seu tempo”, que há sempre “percalços, coisas que não funcionam e não correm como pensamos à partida”, mas diz ter “a noção que estamos no bom caminho”.

Assim, o objectivo da nova temporada do CAO é “continuar a atingir novos públicos”. O autarca pretende manter e reforçar a aposta em artistas locais, “como se pode depreender da programação apresentada, desde o jazz à música popular”. “Há géneros que são mais complicados do que outros e isso reflecte-se nos públicos”.

Rosas diz que “não havia, em Ovar, uma política cultural, esse trabalho tem estado a ser feito todo de novo e sabe-se que as mentalidades custam a mudar”.

Mesmo o Festival Literário que tantas criticas tem merecido, foi, na sua óptica, “um êxito”. “Esteve muita gente, transmitiram-se ali mensagens de grande importância e eu tenho fé que, para o ano, vamos ter mais e mais gente a aderir e mais divulgação”.

A 02 de outubro, arranca o jazz com o concerto de Melissa Oliveira ft JAM e, a 03 de outubro, sobe ao palco a peça “O que o teu pai não te contou da guerra” com encenação de Rogério de Carvalho.

No dia 10, o palco do C.A.O. é para os Coppia, um projecto de música e dança com Manuela Azevedo, Hélder Gonçalves e Victor Hugo Pontes. A 17 de outubro, Gonçalo Waddington regressa a Ovar com para encenar e interpretar a peça “Albertine, O Continente Celeste” e, no dia 30, retoma-se o jazz com João Hasselberg.

Novembro abre com a dança “E Pur si muove” de Francisco Camacho, no dia 07, e a 14, o jazz vai ao cinema com Filipe Raposo “Um Piano afinado pelo Cinema”. A 27 e 28 de novembro, o palco será um contentor de um camião TIR para apresentar a peça “Viajantes Solitários” do Teatro do Vestido.

“Time for T” é o primeiro espectáculo de dezembro, a 04, seguindo-se a peça “Yuck Factor” de Visões Úteis, a 12 de dezembro”. A encerrar, o Concerto de Natal Impression(ismo), pelos vareiros Dynamica Ensemble.

De referir ainda o acolhimento aos projetos artísticos locais com os espetáculos “Romeu e Julieta”, pela Companhia Vareira (24 e 25 de outubro), XV Concordas, pelo Grupo de Bandolins de Esmoriz (31 de outubro), “Música na boa… União” pela Banda Filarmónica Boa União (21 de novembro), “VIII D’Ovar Pr’Ovar” pela Banda Filarmónica Ovarense (5 de dezembro) e, entre 14 de novembro e 15 de janeiro, a galeria do C.A.O. acolhe a exposição “Ambiente Imagens Dispersas, organizada pelo Amigos do Cáster.
Na Biblioteca Municipal de Ovar serão inauguradas as exposições “Falsas Perspetivas em Setembro”, de Sílvia Carreira, “O Traço das Confrarias” e, em dezembro, decorrem os habituais Bazar e Ateliers de Natal.

No Museu Júlio Dinis, destaque para as VI Jornadas do Património, a decorrer com vários eventos e iniciativas no Museu, na Escola de Artes e Ofícios, na Junta de Freguesia de Esmoriz e na Capela do Calvário.
De referir ainda “Conversas à Volta do Tanque” desta vez sobre o tema “Ilustração e Vídeo”, o III Encontro Dinisiano, o Lançamento da 15ª Revista Dunas – Temas e Perspetivas e os habituais Música e Cinema Quinta à Noite.

O Serviço Educativo continua em crescendo, com cada vez mais adesão do público e, nesta temporada, há Teatro para Crianças “Pirilampos e Estrelas” (11 e 12 de Outubro), Dança “Cair” de Victor Hugo Pontes (22 e 23 de novembro), Oficinas de Natal (14 a 18 de Dezembro), Visitas Guiadas ao Museu Júlio Dinis e a oficina “Jogos de Rua, Sonhos de Parede” do Espaço Lúdico do Azulejo, na Escola de Artes e Ofício.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta