Cultura

«Amor é Tão Simples» com Diogo Infante no CAO

No original Present Laughter, esta comédia, escrita em 1939, celebra o lendário espírito livre do dramaturgo Noël Coward. Amplamente considerada como a peça mais autobiográfica do autor, teve a sua estreia em 1942, interpretada pelo próprio.

Guilherme de Andrade é um famoso ator com uma vasta legião de fãs, que atraídos pelo seu charme e carisma, transformam a sua casa num verdadeiro caos. Na semana antes de partir para uma digressão em África, vê-se obrigado a lidar com a sua devota comitiva: a secretária, a sua ex-mulher, uma jovem atriz apaixonada e cheia de ambições, um desequilibrado aspirante a dramaturgo, a mulher do melhor amigo determinada a seduzi-lo, o seu agente, o seu produtor, o mordomo e a governanta.

Simultaneamente, Guilherme sente-se atormentado por uma crise de meia-idade, que insiste em manifestar-se sempre que se olha ao espelho.

O Amor é tão simples é uma deliciosa e intemporal comédia, que reflete sobre o papel da fama, do amor e do próprio teatro, no Centro de Arte de Ovar, no próximo dia 24, pelas 21h30.

De Noël Coward

Tradução Ana Sampaio

Encenação Diogo Infante

Com Diogo Infante, Ana Brito e Cunha, Ana Cloe, António Melo, Cristóvão Campos, Flávio Gil, Joana Pais de Brito, Miguel Raposo, Patrícia Tavares e Rita Salema

Cenografia F. Ribeiro

Desenho de luz Paulo Sabino

Figurinos José António Tenente

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo