CulturaSlider

Artesãos de Ovar não chegam para tantas encomendas

Encerrou o espaço que tinha durante o cordão sanitário e pensou-se que não voltaria a abrir. Mas, no dia 7 de novembro tudo mudou. A AACOP – Associação dos Artesãos do Concelho de Ovar instalou-se na Loja 36 do Centro Comercial Vida e os seus associados não têm tido mãos a medir.

“A abertura da loja está a correr muito bem e estamos sempre a ligar para os nossos colegas para criarem mais peças, porque as que estão em exposição desaparecem num instante”, revelou, satisfeita, Cátia Pinho, presidente da Direcção. Virgínia Familiar, vice-presidente, concorda, afirmando que “as visitas à loja e as vendas estão a superar as expectativas”. “Estamos a ter dificuldades para dar resposta aos pedidos, o que é bom”, sintetiza. Cátia Pinho avisa, entretanto, que estão “a trabalhar para dar resposta a todos, mas temos uma qualidade que queremos manter sempre e isso reflecte-se na execução e demora na conclusão das peças”.

A AACOP nasceu há oito anos (fundada a 19 de Setembro de 2012), na sequência de uma exposição de artesanato realizada no Furadouro. “Verificámos que não havia uma associação do género em Ovar e decidimos avançar para defender a cultura e a história da nossa região e levá-la de geração em geração”, recorda.

Cátia Pinho lembra que a associação esteve instalada num outro espaço que fechou durante a cerca sanitária e esteve quase para desaparecer. “Em Junho, voltámos a reunir e elegemos uma nova Direcção para imprimir uma nova dinâmica”, refere a responsável, adiantando que os objectivos “não são apenas vender, mas também levar a arte a todas as gerações, incentivar a formação interna, pois os nossos artesãos são formados e certificados, e ainda dinamizar ‘workshops’ abertos ao público, destinados desde os mais pequenos aos adultos”. Aliás, atalha Virgínia Familiar, “se não fosse a COVID já estaríamos a levar a efeito ‘workshops’ de Natal, e a pensar nos de Carnaval, Dia da Mãe, etc”, revelando que, em Janeiro, vão surgir algumas propostas “on-line”.

Cátia Pinho recorda que “a possibilidade de abrir esta loja no Centro Comercial Vida foi importante, porque esta Administração acreditou no trabalho que fazemos com muito carinho e horas de inspiração”. O projecto passa por ter a loja aberta, com produtos originais executados pelos associados, e ter diariamente um artesão a trabalhar ao vivo, “o que é muito interessante para todos”, sustenta Cátia Pinho.

Os visitantes do centro comercial podem sempre entrar na loja da AACOP e ter a sorte de encontrar um dos 18 associados a trabalhar em costura criativa, tecelagem, azulejaria, cerâmica, pintura em tecido, macramé, “patchwork”, bonecas, brinquedos em madeira, entre outros, “aliando o tradicional ao moderno, ou seja, executando peças contemporâneas com recurso a técnicas dos nossos antepassados”, aponta Virgínia Familiar.
Cátia Pinho ressalva que a associação está sempre à procura de novos associados “com trabalhos diferentes do que já temos, para nos fortalecer”, e anuncia a criação de uma loja “on-line” para poder vender mais produtos para além dos que estão expostos em loja.

Ler artigo de Luís Ventura in Diário de Aveiro.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo