Publicidade
CulturaPrimeira Vista

Artur Teixeira: 25 anos de sacerdócio sem fronteiras

O Padre Artur Manuel Rodrigues Teixeira nasceu em Ovar, a 21 de Maio de 1972 e foi uma criança traquina como qualquer outra. Entrou no Seminário por convite e tanto gostou de lá estar que é hoje Missionário do Coração de Maria (Claretianos).

Fez Missão em Portugal, mas acabaria por cruzar o oceano e estudar nos EUA, voltar a Portugal e voar para o Brasil.

Eleito Provincial, vive, no dia-a-dia, a responsabilidade de coordenar, animar, encorajar, visitar. Sente que possui o ‘ADN’ Claretiano e fortalece a Fé e a Missão quando partilha o testemunho heróico de muitos missionários espalhados pelo mundo.

publicidade

Foi o Seminário Claretiano dos Carvalhos que o acolheu, após “convite inesperado da minha catequista, Irmã Margarida Hostilina (Instituto Jesus Maria José, de Ovar) que acabou por mudar o rumo da minha vida”. “Foi, sobretudo, o testemunho entusiasmante e genuíno dos missionários que tinham dedicado muitos anos da sua vida em terras africanas que mais me cativou e me fez responder ‘sim’ no inquérito que me perguntava se os Missionários poderiam voltar a convidar para novos encontros”. Foi o começo de uma grande caminhada.

A adolescência e a juventude foram felizes, pois lá havia o que o Artur gostava: “A boa adaptação, o gosto pela música, a prática do desporto, o convívio sadio, a onda de criatividade, a participação em jogos, teatros, concursos e festivais, as aventuras quotidianas, a superação dos desafios escolares e formativos foram-me abrindo a porta a cada nova fase da vida e conduzindo pela adolescência à juventude”.

Após um tempo complicado, com a morte de diversos familiares (incluindo a morte, por acidente, de um tio e de um irmão), entrou no Noviciado em Granada (Espanha), fazendo a sua Profissão Religiosa.

Estudou ainda Teologia na Universidade Católica, em Lisboa, entre 1991 e 1996.

Após um estágio pastoral na comunidade do Cacém, em Sintra, e na equipa formativa do Seminário dos Carvalhos, foi ordenado sacerdote na Sé Catedral do Porto a 12 de Julho de 1998.

Dos Carvalhos aos EUA

A sua vida de Padre começou na direcção do Colégio dos Carvalhos, onde trabalhou até ser nomeado, em 1999, para a Equipa de Pastoral Juvenil e Vocacional dos Claretianos, com ‘quartel-general’ em Fátima. O Padre Artur sente que este foi um convite desafiador, ao nível de dois que antes recebera: integrar um grupo musical profissional, quando era adolescente; entrar para um grande do futebol nacional quando andava na Universidade. Foram cinco intensos anos, a que se seguiu novo desafio: cruzar o Oceano e partir rumo aos EUA, para estudar.

Provincial dos Claretianos

O ano de 2007 virou-lhe a vida do avesso: veio dos EUA para o Capítulo dos Missionários Claretianos e foi eleito Superior Provincial de Portugal, Angola e S. Tomé e Príncipe: “Daí para cá tenho estado ao serviço dos nossos missionários, das comunidades lusitanas, angolanas e santomenses, bem como das diversas paróquias, escolas, centros formativos, casas de acolhimento e das Instituições que nos estão confiadas”.

 

 

 

Em 2014, foi eleito, em Fátima, presidente da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), manifestando o desejo de colocar a Igreja a “palpitar” com o Papa Francisco. Continua a dar voltas ao mundo, lá onde os Claretianos anunciam o Evangelho: “Posso revelar-vos que tenho sido abençoado pela partilha de vida e missão com muitas pessoas e comunidades, a quem nunca imaginara conhecer, desde Roma a São Paulo, Guayaquil, Barcelona, Dar-Es-Salaam, Yaoundé, Luanda, São Tomé, Amazónia… Encontrar Deus lá. Deixar-me contagiar. Aprender, partilhar, caminhar…É encorajador e aliciante estar em comunhão com irmãos com quem já vivi e que agora se doam no Sudão, no Zimbabwe, na China, no Haiti, na Indonésia, na Rússia e em tantos outros recônditos do mundo, interpelando-me pelo seu testemunho profético e entrega generosa”.

As intuições do Fundador (o ADN Claretiano) funcionam sempre como raiz e fonte: “No tempo de Jesus, tal como no de Santo António Maria Claret (séc. XIX) e na actualidade, urge anunciar e construir as bem-aventuranças; promover e abrir caminhos de paz, de justiça, de verdade; viver e edificar a solidariedade e a simplicidade; aproximar e credibilizar Igreja e Mundo; abrir-se ao encontro contemporâneo entre Deus e Humanidade, entre fé e cultura”.

Em 2021, Artur Teixeira foi nomeado pelo Superior Geral, Padre Mathew Vattamattan, para prosseguir missão em Ribeirão Cascalheiras, no Brasil.

Em Lisboa ou agora na Amazónia, como no resto do mundo, o Padre Artur acredita que Cristo continua a lançar apelos a uma Missão sem fronteiras.

A missa comemorativa dos seus 25 anos de sacerdócio celebrou-se na Igreja Matriz de Ovar, no passado domingo.

 

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo