SaúdeSlider

“Carnaval Sem Papel no Hospital de Ovar” bate recorde

No âmbito do “SNS Sem Papel” – e com o apoio da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), EPE -, chegou ao fim esta quinta-feira o “Carnaval Sem Papel no Hospital de Ovar”, uma iniciativa original que trata de questões importantes de uma forma inovadora e informal.

O presidente do Conselho de Administração da SPMS, EPE, Henrique Martins, fez questão de integrar o júri que avaliou as máscaras dos serviços da unidade hospitalar , em conjunto com o presidente do Conselho Directivo desta instituição hospitalar, Luís Miguel Ferreira, e o presidente da Liga dos Amigos do Hospital de Ovar, Carlos Pinto Ribeiro.

Nesta ocasião foi informado que o Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar (HFZ-Ovar), unidade do sector da saúde pioneira no país na transformação digital, bateu em janeiro o recorde de receitas prescritas sem recurso ao papel.

Durante o primeiro mês de 2020, do total das receitas ordenadas no HFZ-Ovar, 75 por cento foram totalmente desmaterializadas (a média nacional está abaixo dos 13 por cento).

“O Hospital de Ovar continua a ser, de entre todos os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), aquele que regista melhor desempenho neste indicador. O prémio Saúde Sustentável que conseguimos vencer no final do ano passado é o reconhecimento do esforço de todos, o que continua a motivar-nos para fazer ainda mais”, afirma o presidente do Conselho Directivo deste equipamento hospitalar, Luís Miguel Ferreira, visivelmente satisfeito com a obtenção da melhor percentagem de sempre de receitas sem papel totalmente desmaterializadas.

De acordo com o mais recente ranking periódico dos médicos que apresentam nesta unidade hospitalar maior percentagem de receitas prescritas totalmente desmaterializadas, 83 por cento do total de clínicos apresenta um desempenho neste indicador acima de 50 por cento.

Considera-se prescrição “totalmente desmaterializada” quando não é efectuada a impressão do guia de tratamento.

“Em nome do Conselho Diretivo, agradeço a todos os profissionais o esforço dedicado nesta transformação digital, enquadrada no projeto HOSP: Hospital de Ovar sem Papel que coloca esta unidade de saúde na rota da transformação digital que se está a operar no sector da saúde em Portugal”, sublinha Luís Miguel Ferreira, recordando que neste contexto está também em marcha no HFZ-Ovar o projecto “cidadão.hosp” que permite apoiar todos os cidadãos no usufruto das ferramentas electrónicas no âmbito do SNS.

O “HOSP: Hospital de Ovar Sem Papel” é um projecto-piloto que foi lançado a 04 de outubro de 2017 – numa sessão que contou com a presença (por videoconferência) do então ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes -, visando reduzir a utilização do papel na unidade, privilegiando os registos e processos electrónicos.

O HFZ-Ovar venceu precisamente com o HOSP a categoria “Cuidados Hospitalares” do Prémio Saúde Sustentável 2019, um prestigiado galardão que conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República, numa iniciativa do Jornal de Negócios e da farmacêutica Sanofi Portugal orientada para a divulgação e incentivo de boas práticas da sustentabilidade da saúde em Portugal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta