Publicidade
CulturaPrimeira Vista

Chalet Ficalho distinguido com Prémio de Recuperação do Património

O Chalet Ficalho, um dos edifícios icónicos de Cascais que foi residência de veraneio do Visconde de Ovar, foi recuperado e é agora uma “guest house”.

A sua reabilitação valeu-lhe o Prémio Gulbenkian de Recuperação do Património – Teresa e Vasco Vivalva de 2023, cuja cerimónia decorreu, esta quarta-feira, 13 de setembro, no reabilitado palacete.

O júri do Prémio Gulbenkian Património – Maria Tereza e Vasco Vilalva deliberou, por unanimidade, atribuir o prémio à Reabilitação do Chalet Ficalho, em Cascais, proposta a concurso pelo arquiteto Raúl Vieira (responsável técnico da intervenção) e Maria de Jesus da Câmara Chaves (dona da obra). O trabalho de reabilitação “conseguiu obedecer a um profundo respeito pela traça original do edifício, o que implicou, em alguns casos, o recurso exemplar a técnicas e saberes artesanais tradicionais no trabalho das madeiras e da pedra, bem como no restauro de telas e sedas de revestimento”, referiu António Feijo, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, presente na cerimónia.

publicidade

O edifício foi mandado construir em 1887 por António Máximo da Costa e Silva, Barão e Visconde de Ovar, e a mulher Maria Josefa de Mello, futura condessa de Ficalho.

O pedido foi aprovado e as obras de construção arrancaram no início de 1898. O quarteirão do clube da Parada, o local onde a família real passava os dias em jogos e outras atividades, foi o escolhido para implantar o edifício. Com os telhados de forte inclinação cinzento-esverdeados, as janelas altas, as portadas vermelhas e o jardim botânico com espécies exóticas, é um dos mais emblemáticos edifícios da região. O palacete que começou por ser residência dos Condes de Ficalho, passou depois a ser residência de férias das sucessivas gerações que o herdaram. A última dessas herdeiras Maria Chaves faz parte da quarta geração da família.

“Foi um prazer e um grande desafio recuperar o chalet, quer pela sua dimensão, quer pelo seu estado de degradação”, confessou Maria Chaves para quem este prestigiado prémio foi um reconhecimento da qualidade do trabalho de reabilitação interior e exterior” de um edifício que é um dos exemplares da arquitetura de veraneio que faz parte da identidade da Vila de Cascais. ” É muito bom termos conseguido devolver este património a Cascais, aos cascalenses e a todos os que nos visitam. Podermos recebe-los aqui em casa e proporcionarmos uma experiência única”, acrescentou a proprietária.

Mais sobre a história do Chalet Ficalho e sobre este prémio aqui

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo