Opinião

Cidade de presente. E futuro? – Ricardo Alves Lopes

Não sabendo bem o rumo que deva dar a este texto, por tratar-se de uma semana, confesso, que não tenho tido grande tempo para ponderar sobre a nossa cidade, ou sequer sobre mim, decidi dar-me a liberdade de ir criando conteúdos, in loco, ao passo que vocês me vão lendo.
Seria mais fácil informar as pessoas responsáveis que não tenho assunto e tempo para me preparar para este texto, mas não o quero fazer. Gosto de honrar os meus compromissos e nesse sentido o texto aqui está a ser escrito. Estão a acompanhar-me na invenção dele?

Por inventar, não compreendam menosprezar. Menosprezar é não querer saber, e eu quero saber. Tanto quero saber que ando, aqui, na labuta das palavras certas para vos dizer. No fundo, há algo que vejo como importante para a cidade. Dinamização de veículos culturais, claro, como já vem sendo feito, mas também aumento substancial da população activa.

Posso não estar a ser absolutamente exacto, pois, conforme vos venho referindo, não tenho tido dias fáceis para programar e estudar o texto, mas acho que um grande problema de Ovar, não só da cidade como do concelho, diria, é que estão a tornar-se, ou há muito que se tornaram, localidades de dormitório. Claro que a nefasta ascendência do desemprego teve nisso um efeito fortíssimo, todavia estou em crer que a população jovem também deveria ser chamada à cidade.

Tenho noção que, para muitos, a população jovem só se chama com espaços noturnos, com festas ou bares, com concertos de música e grandes raves, mas não estou de acordo com isso. É uma parte, claro, não mintamos, mas há muito mais. Hoje em dia, a população jovem, e como jovem refiro dos dezoito aos trinta, ou mais um pouco, precisa de projectos, de noção de futuro e de votos de confiança e desconfiança. Todos queremos sentir-nos reconhecidos, mas nenhum de nós deseja ser demasiado mimado, retirado da obrigação de ter que provar coisas. Vivemos uma era em que tudo é imediato, as fotos, os acontecimentos, tudo, o que ajuda a uma necessidade constante de novos desafios.

Os objectivos de vida já não são apenas segurar as pontas de uma vida quotidiana, são também arrancar para novos desafios, conhecer novos mundos e conquistar novas pessoas/empresas/mercados.
Nesse sentido, acumulando uma boa reestruturação urbana do centro da cidade, confio plenamente que uma dinâmica de formação, alicerçada em oportunidades de negócio, pode ser um forte veículo para se começar a criar interesse pela cidade.
A criação de um polo superior, técnico ou da aposta de uma instituição privada não é fácil, porque não depende apenas de nós, mas a utilização das infra-estruturas para a dinamização de conferências, para a criação de formações contínuas e especializadas, pode ser um bom mote para chamar pessoas à cidade.

Como sempre defendo, não são as estradas, os eventos ou as políticas que fazem as cidades: são as pessoas. Mas, naturalmente, as estradas, os eventos e as políticas é que trazem as pessoas. Esta simbiose é que é a necessária. Já vejo passos nisso, mas a aposta nas formações da área da saúde, quando tantos jovens de Ovar, já com experiência nessa área, partem para o estrangeiro, a realização de colóquios de gestão e marketing, quando há tantas pessoas a trabalharem bem em Ovar, ou mesmo nas áreas do Design e Inovação, com promoção junto de instituições de ensino, institutos de emprego e incubadoras, poderá ser mais um veículo para a promoção da cidade.

Não julguem que quando defendo tanto a aposta na juventude é pela leviandade de não querer saber dos mais velhos ou de só me interessar por festas, é apenas porque quero, dentro das minhas óbvias limitações, uma cidade de presente, mas também de futuro. A emigração, mas também a imigração, são flagelos a que não devemos estar alheios. As cidades só existem com pessoas.
E assim termino um texto, que esteve para não ser texto. Perdoem-me a sinceridade com que sempre vos escrevo, mas só assim faz, para mim, sentido. Esteve para não haver texto.

Ricardo Alves Lopes (Ral)
http://tempestadideias.wordpress.com
[email protected]

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo