CulturaSlider

Combatentes descontentes com monumento de homenagem (DA)

A intenção seria boa, mas não foi acolhida da melhor forma. O monumento de homenagem aos Combatentes na Guerra do Ultramar, iniciativa da Câmara Municipal de Ovar, está a gerar contestação, com os visados a manifestarem descontentamento relativamente ao modelo escolhido, que, na sua percepção, assemelha-se a “um disco voador”.

O grupo de combatentes locais discorda, antes de mais, com a forma do monumento -que, segundo o que está previsto, será instalado no Jardim Almeida Garrett – com configuração circular e base com 13 metros de diâmetro, entendendo que em nada remete para a missão que realizaram no passado.

Mas também consideram o valor orçamentado, que ronda os 82 mil euros, “exorbitante”, que faz “imensa falta para ajudar muitos ex-combatentes do concelho de Ovar, cujas vidas, já de si duras, com o acentuar da crise, viram-se privados de terem juntamente com as suas famílias, uma vida com o mínimo de dignidade”.

“Era imperioso concretizar este projecto”, defende o presidente da autarquia, Salvador Malheiro, acrescentando que essa obra foi definida logo no início do mandato como um dos objectivos do actual Executivo.

“Era há muitos anos ansiado por familiares e amigos dos que partiram na Guerra do Ultramar e vamos finalmente disponibilizar-lhes, no nosso território, um espaço físico onde podem homenagear os seus entes queridos, sabendo que se está a perpetuar os seus nomes na história de Ovar e do país”, realça o autarca.

A obra do escultor João Antero ainda terá que ser sujeita à apreciação das autoridades competentes para garantia de harmonização com as regras militares impostas a monumentos evocativos, mas alguns ex-combatentes locais já se haviam mostrado desagradados com alguns dos seus aspectos estéticos. É o caso de Joaquim Castro, que, enquanto porta-voz do grupo de críticos, afirma que o projeto inicial lhes motivou “desconforto e indignação” e lamenta tanto a sua localização no Jardim Almeida Garrett como o seu formato.

“O monumento foi mostrado há uns meses no Facebook e, devido à sua configuração circular, com cerca de 10 metros de diâmetro, logo foi apelidado de OVNI, disco voador e panela de pressão, tanto por combatentes como por muitos outros cidadãos”, refere. (*com Diário de Aveiro)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta