Local

Concessionários de praia contam seis milhões de euros em prejuízos

A Federação Portuguesa de Concessionários de Praia contabilizou seis milhões de euros em prejuízos para os empresários com estabelecimentos junto à orla costeira, devido ao mau tempo das últimas semanas. Em declarações à TSF o presidente desta associação, João Carreira, pede isenção de taxas e rendas pagas ao Estado para os concessionários afectados.

Os seis milhões de euros não incluem, porém, os estragos da última semana e a federação diz que ainda não recebeu todos os orçamentos dos concessionários relativos às reparações necessárias. À TSF, João Carreira diz que muitos empresários não têm dinheiro para avançar com as obras e que algumas praias podem ficar sem assistência durante a próxima época balnear. O responsável defende que todos devem ficar isentos durante alguns meses do pagamento de taxas e rendas ao Estado.

As contas da federação são conhecidas um dia depois de o Ministério da Economia informar que está assegurada a “agilização das linhas de apoio financeiro disponíveis” para os concessionários de apoios de praia responderem aos prejuízos causados pela intempérie. Os pedidos de financiamento devem ser feitos ao Turismo de Portugal, que terá depois a função de encaminhar o pedido para os bancos dizendo quais os projectos com “relevância turística”, que é um entendimento “essencial para a aprovação dos pedidos de financiamento”.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) solicitou à Secretaria de Estado do Turismo a criação de uma linha de apoio financeiro de emergência, mas a tutela, em resposta à Lusa, diz que não é função do Estado “substituir-se à necessária prevenção dos riscos de negócio por parte dos privados”.

Devido à agitação marítima, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou dez distritos do continente e o arquipélago da Madeira sob aviso amarelo. De acordo com o IPMA, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro vão estar sob aviso amarelo, o segundo menos grave de uma escala de quatro, devido ao estado do mar, prevendo-se ondas de noroeste entre quatro e cinco metros. O aviso para os dez distritos do continente, costa norte da Madeira e do Porto Santo vai estar em vigor até às 18h.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta