LocalSlider

Condenado a cadeia por assaltar Correios

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a três anos e três meses de prisão efetiva, em cúmulo jurídico, um homem suspeito de ter assaltado uma estação dos Correios em Ovar, juntamente com outros dois indivíduos não identificados.

Durante a leitura do acórdão, o juiz-presidente disse que o tribunal “não teve qualquer dúvida” de que o arguido, de 25 anos, participou no roubo ao posto dos CTT de Maceda, Ovar, no distrito de Aveiro.

Apesar de os autores do assalto terem atuado com a cara parcialmente coberta, o arguido acabou por ser identificado, através das imagens recolhidas pelas câmaras de videovigilância de uma gasolineira em Valongo, onde a viatura usada pelos assaltantes foi abastecida sem pagar.

“A roupa, a fisionomia e o cabelo são semelhantes às imagens captadas no posto de abastecimento de combustíveis”, disse o magistrado.

O arguido, que se encontra detido no Estabelecimento Prisional do Porto a cumprir uma pena de prisão de 13 anos, foi condenado a três anos de prisão, por um crime de roubo, e sete meses, por um crime de condução sem habilitação legal.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de três anos e três meses de prisão efetiva.

Durante o julgamento, o arguido remeteu-se ao silêncio, uma postura que aliada ao seu “vasto” passado criminal, por crimes de idêntica natureza, levou a que o coletivo de juízes não tenha feito uso do regime especial para jovens.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o crime ocorreu no dia 18 de janeiro de 2010, pelas 11:00, quando o arguido e outro indivíduo entraram no posto dos CTT de Maceda, enquanto o terceiro cúmplice aguardava no exterior do edifício.

Já no interior, na presença de alguns clientes, o indivíduo que acompanhava o arguido terá ameaçado o único funcionário presente com uma arma de fogo, exigindo todo o dinheiro que tivesse.

Simultaneamente, o arguido galgou o balcão de atendimento e revirou os objetos existentes nas prateleiras e gavetas dos armários, apropriando-se de cerca de 2.000 euros e de uma bolsa com os objetos pessoais do funcionário, diz o MP.

Consumado o assalto, os indivíduos saíram da estação dos CTT e colocaram-se em fuga num automóvel que tinha sido furtado quando se encontrava estacionado numa rua do concelho de Paredes, no distrito do Porto.

De acordo com os investigadores, o veículo usado pelos assaltantes veio a ser encontrado parcialmente carbonizado, algumas horas depois do assalto, no alto da Serra de Valongo.

Ainda no mesmo dia, a carteira e os documentos pessoais do ofendido foram encontrados espalhados numa rua no concelho de Gondomar, situada a poucos quilómetros da residência do arguido.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo