Empresas

Despedidos: quando a idade é um travão (TVI)

«Como se reage quando se é despedido numa cama de hospital? Acho que nem sabemos o que nos está a acontecer». As palavras são de João Santos, de 55 anos, desempregado há 13. No dia em que soube que ia ficar desempregado – trabalhava há dois anos numa empresa de restauração – estava internado no hospital a recuperar de um AVC.

Segundo a empresa, o AVC fez com que perdesse capacidades para continuar no cargo. «Chegámos a acordo para eu sair». Durante três anos e meio recebeu subsídio de desemprego. Depois disso ficou «de mãos vazias», como o próprio diz enquanto as esconde dentro dos bolsos. «Não voltei a ter uma remuneração fixa, só trabalhos temporários», revela à TVI24.

Enquanto mexe o café, João conta pelos dedos de uma mão os trabalhos que teve nestes últimos 13 anos. «Nenhum deles foi fixo. Só tive trabalhos temporários». Entrevistas, essas já lhes perdeu a conta. A viver em Aveiro, com a mulher – «os filhos já saíram de casa há cinco anos, foram à vida deles» – João está inscrito no Centro de Emprego e já não consegue contar os «disparates» a que foi sujeito de cada vez que aceitava ir a uma entrevista de emprego.

«Cheguei a ir a Ovar a uma padaria e quando cheguei lá o dono disse que não tinha pedido ninguém ao centro de emprego». Para este lisboeta a viver em Aveiro, foi uma viagem de 47 quilómetros para nada, no meio de «tantos quilómetros» que já fez. (Ler mais aqui)

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo