Publicidade
Covid-19

DGS recomenda reforço das medidas básicas de prevenção e controlo da Covid-19

A nova variante do coronavírus COVID-Omicron XBB é diferente, mortal e difícil de detectar corretamente, informa o Ministério da Saúde.

Os sintomas do novo vírus COVID-Omicron XBB são os seguintes:

1. Não há tosse.
2. Não há febre.

publicidade

Haverá apenas um número limitado desses outros:

3. Dor nas articulações.
4. Dor de cabeça.
5. Dor no pescoço.
6. Dor na parte superior das costas.
7. Pneumonia.
8. Geralmente não há apetite.

O COVID-Omicron XBB é 5 vezes mais virulento que a variante Delta e tem uma taxa de mortalidade mais alta do que ela.

Leva menos tempo para a condição atingir a gravidade extrema e, às vezes, não há sintomas óbvios.

Essa cepa do vírus não é encontrada na região nasofaríngea e afeta diretamente os pulmões por um período de tempo relativamente curto.

Vários pacientes diagnosticados com Covid-Omicron XBB foram classificados como afebris e sem dor, mas as radiografias mostraram pneumonia leve no peito.

Os testes de zaragatoa nasal são frequentemente negativos para Covid-Omicron XBB e os casos de testes nasofaríngeos falsos negativos estão a aumentar.

Isso significa que o vírus pode se espalhar na comunidade e infectar diretamente os pulmões, causando pneumonia viral, que por sua vez causa desconforto respiratório agudo.

Isso explica porque o Covid-Omicron XBB se tornou algo muito contagioso, altamente virulento e letal

Deve evitar lugares lotados, manter distância de 1,5 m mesmo em espaços abertos, usar máscara dupla camada, usar máscara adequada, lavar as mãos com frequência, mesmo que todos estejam assintomáticos (sem tossir ou espirrar).

Esta onda de Covid-Omicron XBB é mais mortal que a primeira onda de Covid-19. Por isso, temos que ter muito cuidado e tomar várias precauções reforçadas contra o coronavírus.

Mantenha uma comunicação vigilante com seus amigos e familiares.

Não guarde essas informações para si mesmo, compartilhe-as o máximo possível com outros familiares e amigos.

O alerta surge perante o aumento do número de casos.

O dia 14 de junho registou 616 casos — o valor mais elevado desde 8 de setembro de 2023; a 26 de junho morreram 18 pessoas — o número mais alto desde 15 de julho de 2022.

Nos últimos sete dias, a média foi de 12 mortes por dia e perto de 400 novos casos diários ; há pouco mais de um mês morriam apenas, em média, três pessoas por dia — um quarto do número atual. Quase 30% de doentes internados que testaram positivo ao longo dos últimos três meses.

A DGS recomenda a quem tiver sintomas de infeção respiratória, como tosse, febre, dor de cabeça ou dificuldade respiratória, o uso de máscara, bem como manter distanciamento físico e evitar ambientes fechados ou aglomerados.

“Adotar a etiqueta respiratória, ao tossir ou espirrar: tapar o nariz e a boca com um lenço de papel ou com o braço e, posteriormente, deitar o lenço no lixo e lavar as mãos, ou usar solução alcoólica com pelo menos 60% álcool” são outras das recomendações feitas esta quinta-feira pela DGS.

A transmissão da infeção apresenta “uma tendência crescente”, com 26 casos a sete dias por 100 mil habitantes em 30 de junho, bem como existe “uma tendência crescente da proporção de episódios de urgência por COVID-19 em todas as regiões e grupos etários, sendo o crescimento mais evidente nos grupos etários mais velhos”, refere, em comunicado, a DGS.

Publicidade
Botão Voltar ao Topo