LocalPrimeira Vista

Dia do Município devolveu Senhora da Graça ao Furadouro

Meio ano depois, o barco da companha Senhora da Graça regressou à rotunda norte da praia do Furadouro, no Dia do Município. Na inauguração do arranjo urbanístico correspondente, o presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, disse ser um “privilégio” poder inaugurar a intervenção, “dignificando e respeitando algo que é muito querido a todos aqueles que sentem o espírito vareiro, que são verdadeiramente vareiros e que assumem esse sentimento”.

“Conhecemos bem o trabalho árduo, a luta constante dos nossos pescadores para matarem a fome dos seus descendentes”. António Maganinho, que foi distinguido com a medalha de mérito ouro no decorrer da sessão solene do Dia do Município, é, para o edil, “um exemplo da comunidade piscatória que tanto nos orgulha”.

Salvador Malheiro realçou que, “na Câmara Municipal mudamos o paradigma da atribuição das medalhas, e já no ano passado homenageamos o Ti David Ferrão, da praia de Esmoriz, desta vez, decidimos, em conjunto com outras individualidades, atribuir também a medalha, por unanimidade, a António Soares Maganinho”. “E fizémo-lo porque todos nos revemos neste homem, porque é um exemplo de vida para todos e se tivéssemos o mesmo espírito deste homem, teríamos hoje um município ainda mais desenvolvido”, acrescentou.

O autarca deixou ainda palavras elogiosas para Paulo Fernandes, que esteve na pintura e requalificação, “a par da empresa Aborridas, foram exemplares no seu trabalho”.

António Maganinho estava feliz por ver reconhecido “o amor à faina e ao trabalho”, mas não deixou de reconhecer que anda um pouco triste “por não ver a juventude encaminhada nesta arte, mas era bom que continuasse”. “O nosso turismo precisa de mais barcos a trabalhar, mas a verdade é que o rendimento já não atrai pessoal para aqui”, rematou, orgulhoso, de medalha ao peito.

Na sessão solene que decorrera minutos antes nos Paços do Concelho, Salvador Malheiro recordou que “o Concelho de Ovar é repleto de história, onde em cada esquina, em cada freguesia somos confrontados com o nosso passado emocionante. Essa realidade ancestral, confronta-nos também com nós próprios, com a responsabilidade de assumirmos a nossa identidade Vareira”.

“Mas o que é assumir o espírito vareiro nos dias de hoje? Como devemos honrar os nossos antepassados? É vivermos somente à luz do que foi o nosso passado? É esperarmos que alguém ou algo, quiçá divino, nos resolva os problemas? É identificar problemas e não apresentar soluções exequíveis?”, questionou, para atirar: “Concerteza que não!”

Destacando o que considera ser o “espírito vareiro”, Salvador Malheiro disse que também “é o que cada um de nós pode dar para o nosso Concelho. Seja na vida pública, com responsabilidades de condução, ou nas tarefas do movimento associativo. Seja na atividade profissional de cada um, ou nos tempos de lazer”. “Cada concelho é o reflexo daquilo que o conjunto dos seus habitantes, o somatório de cada cidadão, faz pelo seu território, desde as grandes obras até ao mais pequeno gesto de cuidar dos espaços que são de todos. Tanto numa vivência diária de cuidar do nosso vizinho, como ao acolher quem nos visita”.
O sucesso do Município de Ovar, continuou, “deve-se ao trabalho, à dedicação e à determinação de muita, muita gente ao longo dos tempos, onde se misturam anónimos com figuras públicas, doutores com pescadores, agricultores com professores, artistas com desportistas, presidentes com assistentes, empresários com voluntários. Enfim o sucesso do nosso Município deve-se ao nosso Povo… às nossas Gentes”.

O sucesso do Município de Ovar “deve-se a Homens e Mulheres de coragem, que encaram os problemas como verdadeiros desafios, que vencem as adversidades lutando, sofrendo, trabalhando, não se perdendo em mediocridades e questões acessórias nem muito menos em estados de alma!” “Temos, pois, que aceitar como razoável que quem contribui para a nossa identidade, quem contribui para a valorização do seu concelho, deve ser reconhecido publicamente”.

O dia do Município deve, na sua óptica, ser aproveitado para reconhecer e homenagear quem mais mérito tem. “Uma sociedade que não reconhece os seus melhores não os merece e pior que isso não motiva e compromete o surgimento de novos valores”, realçando que os ex-presidentes de Câmara Manuel Oliveira e Armando França, e Manuel Malícia, ex-presidente da assembleia municipal foram agraciados com medalhas de ouro.

Também distinguidos foram os Beneméritos Irmãos Oliveira Lopes (medalha de Ouro), Ramiro Salgado, autor do Hino de Ovar (medalha de Ouro, a título póstumo), José Ramos, presidente do Conselho de Administração de várias Sociedades do Grupo Salvador Caetano (medalha de Ouro), Alfredo Rodrigues, impulsionador da geminação Esmoriz – Draveil (medalha Prata), Revista Reis (medalha Prata) e Associação ARVOR – Veteranos de Ovar (medalha cobre).

Foi ainda dia para atribuir um Voto de Louvor público a Hugo Miguel Madeira Laurentino, antigo jogador de andebol do FC Porto, residente em Ovar, pela atitude exemplar, coragem e determinação no socorro de uma vida, após um acidente de viação ocorrido em maio deste ano, na EN 109. “Num período em que proliferam neste mundo globalizado actos violentos, actos terroristas e onde as acções de solidariedade e ajudas directas ao próximo cada vez escasseiam mais o facto de Hugo Laurentino ter colocado a sua própria vida em risco no socorro de uma terceira é digno de registo, mais… é digno de um forte aplauso!”

No habitual balanço destas ocasiões, Salvador Malheiro apontou que das 100 medidas concretas que visam fazer de Ovar “um Município mais Empregador e mais Empreendedor; um Município com mais Valor, mais inclusivo e socialmente mais justo; um Município mais coeso territorialmente; um Município mais visível e mais atractivo e um Município mais sustentável sob o ponto de vista energético e ambiental, (…) já concretizamos mais de ¾ do nosso plano de acção”.

“Todos sabem que temos dado continuidade ao que de bem vinha a ser feito na gestão municipal, (e não era pouco), mas não deixamos de tomar decisões “fora da caixa”, não deixamos de ser inovadores e arrojados. Todos sabem que a Câmara Municipal de Ovar mantém uma excelente performance em termos económico-financeiros. Todos sabem que temos sido muito agressivos na angariação de fundos comunitários juntos das unidades de gestão nacionais mas também directamente junto de Bruxelas. Todos sabem que temos ido muito para além da nossa esfera de competências em matéria de saúde, de educação e de gestão do litoral, sempre em favor do nosso território e das nossas gentes”.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo