Local

Esmoriz: Dragagens na Barrinha são retomadas em setembro (Lusa)

O secretário de Estado do Ambiente anunciou sábado que a segunda fase das dragagens da Barrinha de Esmoriz, em Ovar, avançará em setembro, integrando um investimento estimado em quatro a cinco milhões de euros.

Em declarações nas Caldas da Rainha, Paulo Lemos inclui essa zona costeira – também conhecida como Lagoa de Paramos, por abranger território do concelho de Espinho – no rol das três obras que avançarão agora para novas etapas.

“De julho a setembro vai ser aberto um aviso do Programa Operacional Sustentabilidade e Uso Eficiente de Recursos [POSUER] para as lagoas costeiras, que abrangerá a segunda fase das dragagens] da Lagoa de Óbidos, da Barrinha de Esmoriz e da Lagoa de Albufeira”, afirmou o governante.

Paulo Lemos admite que o desejável seria que a obra em Ovar e Espinho se pudesse concluir ainda em 2015, com verbas do anterior quadro de financiamento comunitário, mas avisa: “Devido a todos os procedimentos associados, não sei se será possível”.

Para o caso de esse prazo não se cumprir, o secretário de Estado equaciona já, contudo, uma nova candidatura no contexto do quadro comunitário actual. “É uma válvula de escape para o caso de não conseguirmos acabar a obra até ao final do ano e continuaremos com o POSUER, sem descontinuidade temporal”, explica.

Salvador Malheiro, presidente da Câmara Municipal de Ovar, recorda que “a requalificação da Barrinha de Esmoriz é uma obra que tem sido prometido há mais de duas décadas e nunca tem sido concretizada”.

Se inicialmente essa pretensão obrigou a “um grande esforço por parte das autarquias de Ovar e da Feira no sentido de cobrirem os seus territórios com saneamento e assim eliminarem todas as fontes poluidoras” da lagoa em causa, agora já não haverá razão para adiamentos.

“Estão criadas todas as condições para termos ali um ecossistema natural de topo”, garante o autarca à Lusa. “O que está previsto é a requalificação daquele sítio de forma a que ele possa tornar-se uma atração turística de uma riqueza natural tremenda”, acrescenta.

Além da construção de passadiços em torno de toda a Barrinha, para usufruto da paisagem em toda a sua extensão, a obra prevê também a criação de uma ponte entre as suas margens norte e sul, e ainda a instalação na envolvente de espaços lúdicos como um quiosque e uma cafetaria.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo