LocalSlider

Festival de Circo a Céu Aberto regressa à praia do Furadouro

Depois do sucesso alcançado no Verão de 2014, a praia do Furadouro volta a receber palhaços, malabaristas, trapezistas, acrobatas, ilusionistas, oferecendo espectáculos gratuitos para toda a família em tempo de férias. É a segunda edição do Festival de Circo a Céu Aberto, numa organização da União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã (UFO), que decorre neste próximo fim-de-semana.

O festival de artes circenses decorre nos dias 22 e 23 de Agosto, em diferentes pontos da Avenida Marginal e Central do Furadouro e vai oferecer vários espectáculos de qualidade, no espaço público, sempre gratuitos, por artistas portugueses e estrangeiros.

Nuno Sampaio Pinto, que integra a organização do Festival de Circo, explica que “a ideia, em primeiro lugar, é dinamizar a praia do Furadouro”, destacando que o objectivo é “levar à praia algo de diferente e inovador, a que as famílias nem sempre têm acesso, numa lógica de proximidade numa altura de férias”. O objectivo é, pois, “trazer o circo até às pessoas, de forma gratuita, ao mesmo tempo que se está a divulgar as artes circenses”, sublinha.

O elemento do executivo da UFO salienta que o certame é “uma aposta para manter e melhorar todos os anos, de forma a tornar-se numa referência neste tipo de espectáculo, nesta altura do ano”.

Do cartaz desta segunda edição constam mais de duas dezenas espectáculos por companhias portuguesas e estrangeiras para toda a família. Os portugueses Erva Daninha e Sissi, os espanhóis Zangania e Jean Phillipe Kikolas ou o venezuelano Manolo são alguns dos trunfos de uma programação que começa às 10 horas de sábado e domingo e termina pela noite dentro.

Curiosamente, um dos principais cenários do evento será um coreto tradicional que se encontra instalado sensivelmente a meia extensão da Avenida Central do Furadouro. A UFO tem vindo a valorizar essa estrutura arquitectónica tradicional enquanto espaço de fruição pública e ali vão decorrer alguns dos números previstos no programa deste fim-de-semana.

 

DESTAQUES

Erva Daninha (Portugal)

A Companhia Erva Daninha, sediada na cidade do Porto, tem como missão a criação de circo contemporâneo explorando o diálogo entre diferentes expressões das artes performativas. Os seus espectáculos abordam temáticas actuais e têm como ponto de partida materiais biográficos, literários, cinematográficos, sociais e políticos. Resultam de uma vontade de reflectir o presente, as questões de nos afectam e das quais fazemos parte. A Erva Daninha habita o espaço da Fábrica da Rua da Alegria, um espaço cedido pela Escola Superior de Música das Artes e do Espectáculo (ESMAE/IPP-Porto).

Eva Ribeiro (Palhaça Madame Muska)

Actriz, palhaça e animadora, trabalha há mais de dez anos com teatro, circo e palhaço. Eva Ribeiro estudou na Escola de Teatro Físico Jacques Lecoq e é formada em Teatro pela ESAP. Trabalha desde há vários anos com as linguagens do teatro do oprimido e do ‘clown’ social. Estudou a arte da palhaça com Adelvane Néia, Silvia Leblon, Palhaço Tomate, Jesus-Jara, Virginia Imaz, Matteo Cifarelo, Maria Colomer, Alex Navarro e Carolina Dream, Jeff Johson, Johny Mellville, entre outros.

A Sissi

Cecília Dias tem o sonho de trabalhar com os “Palhaços Sem Fronteiras”. Para ela, o ‘clown’ é uma experiência que tem crescido ao longo da vida e que culminou na Dinamarca, onde realizou trabalho de ‘clown’ num hospital. O trabalho com crianças é uma “experiência humana muito profunda”, na medida em consegue “fazer brotar sorrisos em crianças que estão em condições físicas muito complicadas”, o que revela nesta arte circense “um lado social muito importante”.

Ilusionista Manolo

Manolo traz-nos um espectáculo de palco que é muito mais do que a soma de um conjunto de truques. Dirigido sobretudo a um público mais adulto, alia o bom ilusionismo à irreverencia do Manolo enquanto animador cómico.
A interacção com os espectadores é constante e os truques de grande qualidade garantem momentos de boa disposição.

Diogo Duro

Diogo Duro começou a sua formação como animador circense no Teatrinho de Santarém e participou em vários projectos ligados ao circo e à animação de rua. Em 2004, ingressou na companhia profissional Pim Teatro, onde durante dez anos participou em todos os espectáculos da companhia como actor, animador e formador. Em 2014, terminou a licenciatura em teatro e iniciou o seu projecto a solo na área do Clown e novo circo “Click to Click”, com a direcção de Osvaldo Maggi. Durante a sua formação trabalhou com nomes como Philipe Gaulier, Leo Bassi, Jesús Jara, Jef Jonhson, Johnny Melville, entre outros. Hoje, 20 anos depois, considera-se um palhaço.

Zangania

Zangania é uma empresa multidisciplinar espanhola, que durante sua carreira foi fazendo números de circo, oficinas, animações e dança aérea. Consiste apenas de dois artistas versáteis: Javier Franco e Maria Carmen Nogues. Ambos trabalharam há mais de dez anos como dançarinos, malabaristas e acrobatas. O espectáculo “Tu vuelo, mi vuelo …” é uma reflexão entre duas pessoas que propõem um caminho comum. A peça desenvolve a sua própria línguagem, em parte circo, em parte dança. Uma corda paira no meio da cena, e é oferecido como eixo de movimento aos personagens, que deixaM os seus corpos voar e falar.

Bruno Leite (Mr. Milk)

Bruno Leite é licenciado no Curso Superior de Teatro – Interpretação e Encenação na Escola Superior Artística do Porto (ESAP), no Porto. Frequentou Stage de Clown «Le jeu Masqué, le grandvoyage du masque neutre au clown», na Escola Samovar, em Bagnolet, Paris 2011.

Foi bolseiro do programa Leonardo Da Vinci na Escola de Clown Le Samovar em Paris, 2013, e colabora como formador, actor e performer com várias entidades nacionais.

Jean Philippe Kikolas

Quique Mendez sempre foi palhaço, mas só se considerou como tal a partir do momento em que frequentou o seu primeiro curso de palhaço. Desde então, começou a entrar em cena no Teatro La Gindalera (Madrid), com Carlo Colombaioni, Pep Vila, Marcelo Katz, entre outros consagrados do país vizinho. A partir de 2002, estreou seis espectáculos diferentes que percorreram Espanha, Itália, Portugal, França e Argentina.
Desde 2007 que colabora com os Palhaços Sem Fronteiras, visitando hospitais em vários países (Líbano, Kosovo, Palestina).
Em 2010 cria o seu próprio show, a síntese de 15 anos de carreira artística, um número de circo inspirado na comédia clássica e em filmes cómicos de Buster Keaton, Charlie Chaplin ou Jacques Tatti.

Natália Moreira – Não perca a cabeça

A organização da União das Freguesias de Ovar lançou o repto a um grupo de artistas local para a realização de um número original e, ao mesmo tempo, ritmado e bem-disposto. A resposta surge na forma de Natália Moreira que se vai fazer acompanhar da dupla Halface DJ’s Project, num conceito que convida a perder a cabeça.

Pessic de Cirque

Pessic de Cirque nasce no verão de 1998, em Barcelona, com o objectivo de difundir a arte circense em espectáculos oficinas, cursos, exposições, etc. Desde a sua criação, já actuou em praças, teatros, circos , desfiles, combinando qualidade, concepção tradicional e  circo contemporâneo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta