CulturaSlider

FIMO 2014: Vinte e dois espectáculos por nove companhias em três dias

Desde que foi suspenso, em 2005, que a população suspirava pelo seu regresso, pois “poucas iniciativas dinamizam o espaço público como o FIMO – Festival Internacional de Marionetas de Ovar, animando o comércio e alegrando a cidade que vibra com os espectáculos”.

Na conferência de imprensa de apresentação do FIMO, ontem realizada, Bruno Oliveira, presidente da União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã (UFO), que organiza o evento, enalteceu o envolvimento da comunidade, nomeadamente dos comerciantes, que serão chamados a “emprestar” as suas montras para a exposição de trabalhos das crianças das escolas.

Neste particular, a UFO fez o trabalho de casa ao lançar um concurso junto das escolas da pré e do ensino básico, convidando a associação de artesãos para tomar parte no Mercado de Rua dedicado às marionetas e o grupo de carnaval Hippies para executar o “Fiminho”, símbolo do certame.

As inscrições para os voluntários continuam abertas, porque a autarquia quer aproveitar os conhecimentos adquiridos pela prata da casa ao longo das várias edições do FIMO.

Nesta linha, Bruno Oliveira destaca que “um dos nossos objectivos é mostrar o talento que temos em Ovar” e, assim, “não podíamos esquecer as companhias vareiras que, apesar do hiato, mantiveram-se fiéis à arte”, constando do programa a Companhia Partículas Elementares e BGama, ambas de Ovar, para além das vizinhas Marionetas da Feira e da SA Marionetas, de Alcobaça. De Espanha e França chegam outras cinco companhias que integram o lote do melhor que se faz a nível internacional na arte de manipular bonecos.

Um total de nove companhias de teatro de marionetas, vão, pois, dar vida a mais de duas dezenas de espectáculos, espalhados por 3 dias em vários locais da cidade.

Nove anos depois de se ter despedido, é o regresso confirmado do FIMO – Festival Internacional de Marionetas de Ovar, e Bruno Oliveira, não faz por menos: “Sem esquecer as nossas raízes, queremos voltar a ser uma referência no panorama dos festivais de marionetas em Portugal e não só”.

O Jardim do Cáster, o Largo do Chafariz do Neptuno, o Largo do Tribunal e a Praça das Galinhas são os palcos eleitos para assistir aos espectáculos que, assegurou Bruno Oliveira, serão gratuitos. Os tempos mudaram e a UFO não conta gastar mais de 1,5 por cento do seu orçamento anual, ou seja, cerca de 15 mil euros. Para Bruno Oliveira, “é um investimento cultural, no combate à desertificação do centro da cidade, além de ser um motor de sinergias da criatividade local”.

O programa do FIMO, que se estende pelos dias 13, 14 e 15 de Junho, contempla ainda, no dia 6 de Junho, uma exposição interactiva de marionetas, sob o tema “Personagens que nasceram, habitaram e deram vida à AATMO”, no balcão de Ovar da UFO, uma mostra com os trabalhos das escolas e um Mercado de Venda de Marionetas e Brinquedos Artesanais, nas ruas da cidade.

COMPANHIAS

FIMO2• Compagnie Pelele (Toulouse, França)

Paz Tatay, de origem espanhola, fundou a Compagnie Pelele em 1996, na cidade francesa de Toulouse. Principalmente dedicada ao teatro de marionetas, a companhia tem um percurso internacional com várias presenças em Itália, Espanha, Alemanha, Brasil, além de, naturalmente, em França.

Na área do espectáculo da manipulação de objectos, apresentou vários espectáculos, como ‘Circo da Rua’ (1996), uma performance de rua com marionetas de fio, acompanhada musicalmente por Alice Béhague, com mais de 100 apresentações em numerosos festivais internacionais.

Espectáculo: “La Muerte de Don Cristóbal”

Foi em 1998 que a Compagnie Pelele criou “La Muerte de Don Cristóbal”, uma criação com marionetas de luva, onde se encontra a figura tradicional da conhecida personagem espanhola, sempre acompanhada de música e efeitos sonoros ao vivo por Alice Béhague, que conta mais de 250 apresentações em inúmeros festivais internacionais.

• Marionetas da Feira (S.ta Maria da Feira, Portugal)

A história das Marionetas da Feira começa há doze anos, escrita apenas por duas mãos – as de Rui Sousa, que acumulava todas funções, de diretor a marionetista, passando pela produção dos espetáculos e pela confeção das marionetas.

A companhia de Rui Sousa debruçou-se, inicialmente, sobretudo sobre as marionetas de fios. Atualmente, continua a apresentar espetáculos clássicos que utilizam a referida técnica, embora comece já a ser conotada como divulgadora do Teatro Tradicional D. Roberto e percursora de espetáculos mais modernos de variadas técnicas em conjunto. As Marionetas da Feira “são uma companhia reconhecida tanto em Portugal, como na Europa e no mundo”, admite o diretor do grupo, com orgulho.

Espectáculo: O Circo das Marionetas

Don Malabarini é o incrível malabarista italiano d’O Circo das Marionetas. Aliás, o Circo das Marionetas é um circo bem diferente dos outros onde todos os artistas são marionetas de fios.

• Jordi Bertran – Barcelona (Espanha)

Em 1977, Jordi Bertran juntou-se ao Grupo Oficinas de Marionetes, bonequeiros de Barcelona dirigido por Pepe Ota, descobrindo o poder de fascinação e a capacidade de comunicação dos bonecos. Hoje, a Cia Jordi Bertran já participou nos festivais mais importantes do mundo e Jordi Bertran ensina a construção e manipulação na escola de teatro La Casona, em Barcelona, e realizou workshops na Grã-Bretanha, Lisboa e Florianópolis. A Oficina do Parque, em Barcelona, é o espaço de criação da companhia, onde se confecciona e são armazenados os bonecos e espectáculos. Também é um centro de formação, onde acontecem oficinas e workshops dos mais variados tipos de bonecos: construção, manipulação, iluminação, figurino e outras técnicas aplicadas.

Espectáculo: Poemes Visuals

“Poemes Visuals” começa com um actor encarnando um poeta. Ele traz consigo uma maleta cheia de letras e começa a brincar com os seus sons e as suas formas, descobrindo que, a partir das letras, pode criar poesia, sem a necessidade de construir palavras.

• S.A.Marionetas – Teatro & Bonecos (Alcobaça)

S.A. Marionetas – Teatro & Bonecos, tem como objectivos promover e divulgar o Teatro de Marionetas. Nessa perspectiva, o seu trabalho pode-se dividir em duas vertentes principais: A investigação e a procura de novas soluções estéticas para o Teatro de Marionetas por um lado, e por outro, a preservação da tradição popular portuguesa através da pesquisa e continuidade na realização do Teatro D. Roberto. Em ambos os casos, privilegia-se a itinerância dos espectáculos como melhor forma de divulgar a arte da marioneta.

Tem participado em diversos Festivais de Teatro de Marionetas em Portugal, tendo também representado o país em Itália, Alemanha, França, Espanha, Inglaterra, Pais de Gales, Escócia, China, Eslováquia, Macau e Cazaquistão.

Espectáculo: O Barbeiro/ A Tourada

A S.A. Marionetas tem o privilégio do contacto directo com o Mestre António Dias, um dos últimos fantocheiros populares portugueses, e recriou, a partir do seu testemunho, duas peças – “O Barbeiro” e “A Tourada”.

• Fantoches Baj (Coruña, Espanha)

Fantoches Baj é uma companhia criada inicialmente em Portugal por Inacio Vilariño, em 2006. Desde então que o seu campo de interesse se tem centrado no teatro de marionetas entendido de uma forma ampla. Desde a proposta mais tradicional dos bonecos de luva do primeiro espectáculo, Tío Miseria (2007), até uma progressiva abertura a outras formas mais contemporâneas do teatro de objectos como no seu espectáculo, “O Assombro” (2010) ou a utilização do ‘kamishibai’ japonés no espectáculo “As Pombas de Carboeiro”.

Espectáculo: Velocíclopes

“Velocíclopes” é constituído por cabeçudos motorizados de aspecto ambíguo (podem ser interpretados como sapatos gigantes, cíclopes, automóveis…). As múltiplas possibilidades que oferece a motorização dos cabeçudos, manipulados por personagens ‘clownescos’, faz com que nos deparemos com um espectáculo surpreendente, ágil e de grande interacção com o público.

• Ymedioteatro (Jaén, España)

Companhia profissional de teatro de Torreperogil, Jaén, España, Sie7e é nome do microteatro ambulante da Ymediateatro, cuja aventura começou em 2006. “Acima de tudo, estamos cá para contar histórias”, avisam. Sempre gostaram de ouvir as histórias dos outros e, a dado momento, decidiram começar a contar as suas próprias histórias, à sua maneira, sobre as coisas que gostam, mas também sobre as coisas de que não gostam, “porque também são muito interessantes”. Sempre à procura: dentro da linguagem, das imagens, da forma, do formato, do conteúdo… tomando sempre o máximo cuidado com cada palavra, cada detalhe, cada milímetro desta longa estrada que percorrem.

Espectáculo: Sie7e

É um teatro sobre rodas, ambulante, itinerante que vai andar pelas ruas de Ovar. O seu interior, de pouco mais de SIE7E metros quadrados, cabem três atores e quinze espectadores, durante no más de dez minutos. E muita arte e curiosidade. Um teatro especial.

• Tanxarina (Pontevedra, Espanha)

A companhia Tanxarina Titeres foi fundada em 1983, por vários ex-alunos de Harry Tozer, professor de construção e manipulação de marionetas de fios do Institut del Teatre de Barcelona, e também outros profissionais galegos do teatro infantil e juvenil. Desde então, converteu-se numa das escolas mais reconhecidas e prestigiadas de teatro de Marionetas tanto dentro como fora da Galiza.

Dedica-se à produção e distribuição de espectáculos dirigidos a todo tipo de públicos: infantil, juvenil e familiar; onde se combinam diversas técnicas de animação de bonecos com performance dos próprios manipuladores.

Tanxarina já passou pela Grécia, Áustria, Bélgica, França, Itália, El Salvador, Costa Rica, Nicarágua, Venezuela, Cuba, Colômbia, Argentina, Brasil, Guatemala, México, etc.

Espectáculo: Trogloditas

Dois lançadores de menires, um levantador de pedras ou um faquir que atravessa o seu corpo com um tronco, farão a delícia do público, divertindo grandes e pequenos. Vamos conhecer, através do humor, o modo de vida dos homens e mulheres das cavernas.

• Partículas Elementares (Ovar, Portugal)

Desde 2003, que a Companhia Partículas Elementares, espectáculo após espectáculo, vem conquistando o público por todo o país, no cenário do teatro infantil e de marionetas. Vem criando cumplicidades directas e precisas com as crianças e adultos, concretizadas através de histórias simples, delicadas e com a devida dose de poesia, que nos envolvem desde o primeiro instante. Assim se prova que para contar uma boa história, basta deixar correr a fantasia!

Espectáculo: João e o Pé de Feijão

O conhecido conto dos Irmãos Grimm é, neste espectáculo, combinado com a conhecida e cativante ambiência, característica da Companhia. Conta as mirabolantes aventuras do João, um boneco com alma de menino, que sente a necessidade de se ajustar às lutas para conseguir a sua maturidade. É um espectáculo que discute de maneira subtil, as consequências destrutivas de não conseguirmos desenvolver níveis mais altos de personalidade responsável.

Com momentos lúdicos e divertidos, combinados com outros de delicada e leve poesia, este espectáculo gera a constante necessidade de nos equilibrarmos sobre a corda bamba, entre a fantasia e a realidade.

O espectáculo explora assim a riqueza e sabedoria do universo infantil, fazendo do João um verdadeiro ícone de todas as crianças ao materializar o anseio destas pela liberdade de viverem os seus sonhos.

• BGama (Ovar, Portugal)

A Companhia BGama nasceu depois do artista ter participado num Workshop proporcionado pelo FIMO. Desde então, Bruno Gama tem levado as suas performances a vários pontos do país. Ele é uma espécie de homem dos sete instrumentos, porque a Companhia BGama é a companhia de um homem só.

Espectáculo: Circo Musical

Um actor manipulador/apresentador de circo apresenta diferentes números de espectáculo no circo com música, conta diferentes histórias nas diferentes técnicas com bonecos e objectos. A música está sempre presente para dar ritmo e alegria aos actores por instantes.

*Todos os dias do Festival
Mercado de venda de marionetas e brinquedos artesanais
Ruas do FIMO

Ver programa aqui.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta