Saúde

Fumo em terceira mão – O inimigo invisível que nos mata!

A 31 de Maio assinala-se o dia mundial sem tabaco e apesar de todo o
esforço e todas as campanhas realizadas, o tabaco continua a ser a
principal causa de morte e a principal fonte de doença evitável. Estima-se
que só em 2020 terá causado mais de 8 milhões de mortes em todo o
mundo.

Entre os utentes da USF João Semana, mais de 2.900 ainda referem
hábitos tabágicos, o que corresponde a mais de 17% da nossa população.
Este valor toma outras proporções quando pensamos que o fumo afeta
não só os fumadores diretos (fumo em primeira mão) mas também as
pessoas que o rodeiam e que indiretamente inalam o fumo (fumo em
segunda mão) e ainda as pessoas que moram com alguém que fuma, ao
ficarem expostas ao fumo em terceira mão que se deposita pelas
superfícies da casa.

O fumo em terceira mão corresponde aos resíduos de poluição e micropartículas libertadas no fumo do tabaco. Alguns destes compostos nocivos presentes no tabaco e libertados no fumo aderem às superfícies de casa como móveis, tapetes, objetos de decoração, roupa e até à pele e cabelo do corpo humano, constituindo assim um grande risco de saúde mesmo para os não fumadores, pois o fumo em terceira mão pode penetrar no nosso corpo por diversas maneiras, incluindo a inalação pelo trato respiratório, através da sua ingestão e por absorção cutânea. Imaginem um bebé a gatinhar e colocar tudo na boca, numa casa ou num carro de fumadores ou ex-fumadores!

As partículas do fumo de terceira mão acumulam-se e têm efeito a longo
prazo, podendo permanecer em superfícies dentro das nossas casas por
vários meses e o nível de contaminação dificilmente é diminuído por meio
de limpezas ou de ventilação.

Desta forma o melhor é mesmo não deixar este inimigo invisível entrar em
sua casa. No dia mundial sem tabaco (e sempre!) escolha não fumar. Mas
ainda assim, se fumar, nunca o faça dentro de casa ou no carro, e use
uma proteção para a sua roupa de forma a evitar transportar, para dentro
de casa, as partículas prejudiciais que destroem a saúde da sua família.

Este problema aplica-se também às novas e perigosas formas de fumar,
tais como, cigarro eletrónico e tabaco aquecido.
A sua equipa de saúde familiar está sempre à disposição para o ajudar
caso pretenda deixar de fumar mas não consegue evitar o fumo em
segunda ou terceira mão.
Seja responsável, não fume acompanhado nem em espaços fechados!

Eurico Silva
Médico USF João Semana

Artigos relacionados

Deixe uma resposta