Política

Horário da Consulta Aberta gera dúvidas e protestos

 

“Um mês após a abertura da época balnear, a 15 de Junho, a consulta aberta continua sem funcionar no horário alargado, isto é das 24h às 8 horas”, denunciou esta semana, o PCP de Ovar.
Uma situação que já motivou diversas denúncias por parte dos utentes que tentaram acorrer aos serviços, encontrando apenas a porta fechada sem qualquer explicação aos utentes.

“Acresce a ausência de qualquer justificação ou esclarecimento público por parte do ACeS Baixo Vouga III, responsável pelo seu funcionamento”, sustenta o PCP.

No sentido de uma resolução rápida do problema, o eleito municipal do PCP, Miguel Jeri, enviou um requerimento à Câmara Municipal questionando-a sobre o cumprimento do protocolo e solicitando esclarecimentos adicionais sobre a ausência de consulta neste horário.

É para o PCP “inadmissível que se faça letra morta do protocolo assinado entre a Câmara Municipal de Ovar e a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, em 2007”, exigindo o imediato cumprimento das promessas feitas no sentido de e atender às expectativas da população no que aos cuidados de saúde diz respeito.
O PS de Ovar, através do deputado municipal Carlos Pinto Ribeiro, já havia pedido esclarecimentos à Câmara Municipal relativamente à alteração ao protocolo celebrado entre a Autarquia e o Ministério da Saúde, no que respeita ao horário de funcionamento da Consulta Aberta no Centro de Saúde de Ovar.

“Contrariamente ao protocolado, este serviço deixará de ser prestado diariamente entre as 8h e as 24h, passando apenas a ser assegurado entre as 20h e as 24h – nos dias úteis – e entre as 8h e as 24h – aos fins-de-semana e feriados”, alertou o ex-administrador do hospital de Ovar.

Uma vez que a Unidade de Saúde Familiar de São João encerra às 18h, os utentes daquela Freguesia ficarão, agora, sem atendimento garantido no período compreendido entre as 18h e as 20h, Carlos Ribeiro questionou: “Como devem proceder aqueles utentes se, depois das 18h e antes das 20h tiverem necessidade de atendimento médico ou de enfermagem?”

A par deste retrocesso na qualidade da Saúde no concelho de Ovar, pretendeu o deputado socialista saber se todos os utentes dos serviços de saúde do concelho de Ovar estão inscritos nas Unidades de Saúde Familiar, beneficiando, por isso, de atendimento no dia em que necessitam de cuidados.

Mais quer o PS de Ovar saber se a alteração do protocolo não coloca em causa a referenciação dos utentes do concelho de Ovar ao Hospital de Santa Maria da Feira.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta