Saúde

IPMA alerta para nova onda de calor a partir de 20 de agosto

O presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alertou esta quarta-feira que o país vai passar por uma terceira onda de calor a partir do dia 20 e que se mantém o perigo de incêndios rurais.

“O perigo de incêndio rural em Portugal está ainda a meio da campanha, passámos uma onda de calor de grande intensidade e que chegou a temperaturas que quase rondaram os cinquenta graus, passamos uma segunda onda com menos intensidade, mas mesmo assim com grande impacto e vamos passar uma terceira onda de calor provavelmente dentro de dias”, afirmou esta quarta-feira o presidente do IPMA, Jorge Miguel Miranda.

O presidente do IPMA falava aos jornalistas em Lisboa após uma reunião com o ministro da Administração Interna, José Luis Carneiro, para avaliar as previsões meteorológicas para os próximos dias.

Jorge Miguel Miranda acrescentou que “as previsões não são muito positivas” em termos de precipitação e que provavelmente setembro será “um pouco mais seco e um pouco mais quente, como têm sido os meses anteriores”.

“O problema do perigo de incêndio rural está ainda a meio da campanha”, alertou, referindo mais à frente que a terceira onda de calor deverá fazer sentir-se a partir do dia 20.

“Estamos a chegar a meio de agosto. Passámos julho e metade de agosto, mas falta metade de agosto, falta setembro e não sabemos quantos dias de outubro. As previsões não são muito positivas do ponto de vista da precipitação”, disse o responsável, acrescentando: “A situação na Europa ainda será talvez pior do que a media em Portugal, mas temos um sistema natural que está tremendamente fragilizado e temos ainda um mês e meio, pelo menos, pela frente para sermos capazes de ultrapassar”.

Jorge Miguel Miranda transmitiu ainda aos cidadãos a mensagem de que “o esforço feito até agora foi importante”, não resolveu todos os problemas porque “não é possível resolver todos os problemas”, mas “o esforço tem de continuar, cada vez de forma mais rigorosa”.

Disse ainda que, depois do que tem acontecido na Europa do Norte, em França, Espanha e em Portugal, é possível perceber que “a mudança climática é o fator determinante” e que aparece sob duas formas “que se pioram uma a outra”: seca prolongada – “estamos numa situação de seca histórica” – e fenómenos de onda de calor e de “onda de vento”.

“Isto leva a que as situações sejam tremendamente difíceis de controlar”, afirmou.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo