PolíticaSlider

“Isto não está ganho” – Salvador Malheiro

Com a oficialização da recandidatura de Salvador Malheiro a um terceiro mandato, as eleições autárquicas em Ovar estão ao rubro. Esta sexta-feira, na apresentação na Arena Vida Ovar, o actual presidente da Câmara Municipal apelou à “ajuda” dos eleitores: “Quero voltar a ser presidente da câmara mas preciso da vossa ajuda”, porque “isto não está ganho”.

Falando em formato ‘stand-up’, simplificou as contas: “Se aqui estiverem 500 pessoas, cada uma só tem de arranjar 40 votos” para que volte a ganhar o sufrágio. Com mais forças partidárias a disputarem o seu eleitorado, Malheiro avisou: “Isto começa sempre zero a zero”. “Não precisamos de dizer mal de ninguém, fazemos política pela positiva”, realçou.

Da noite fica o anúncio de que está tudo bem encaminhado para o município vir ter um polo da Universidade de Aveiro para “dar resposta às necessidades de emprego” do tecido empresarial. O polo terá valências de licenciatura e mestrado “com saída imediata”, uma vez que “vão ter o envolvimento do tecido empresarial”. O projecto, segundo Salvador Malheiro, representa “uma simbiose entre a câmara, os empresários e a universidade de Aveiro”.

Fazendo “um balanço positivo” destes quase oito anos à frente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro lembrou que “2021 é muito diferente de 2017”, em particular, devido à pandemia da covid-19, defendeu ser preciso “encarar o futuro com esperança”. Prometeu “mais emprego, mais justiça social e inclusão, coesão territorial com menos assimetrias e a atracção de novos públicos ao concelho através de eventos desportivos e culturais”, mas nada disse sobre o futuro do edifício do cine-teatro de Ovar.

Focado na habitação social e na neutralidade carbónica, sustentou que o município emite “200.000 toneladas de dióxido de carbono por ano, mas, graças ao pulmão verde que é a floresta entre Cortegaça e o Furadouro, 100.000 dessas toneladas já são capturadas pelo pinhal”. Na vertente ambiental, António Topa, presidente da Mesa da Distrital “laranja”, mostrou optimismo na implementação do programa de defesa da costa no próximo mandato.

Além de Luís Filipe Menezes, antigo presidente do PSD, também presente na apresentação da recandidatura, o actual líder do PSD, Rui Rio disse que o candidato colocou “Ovar no mapa” e que está “na política por vocação e não por necessidade”. “O PSD dá ao eleitorado ovarense a possibilidade de ter o melhor candidato que há”, sentenciou.

A noite contou ainda com intervenções gravadas de todos os candidatos às juntas mas manteve o tabu do elenco que o acompanhará no executivo municipal. O líder da concelhia do PSD, Domingos Silva garantiu que a sessão teve autorização da autoridade local de saúde e que se cumpriram todas as directrizes da DGS

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo