CulturaSlider

Livro “Confrarias” promove e valoriza património cultural

[themoneytizer id=”16574-1″]

Marisa Cardoso e Ana Catarina André, duas colaboradoras da revista “Sábado”, apresentaram, na passada quinta-feira, o livro “Confrarias” no Museu Júlio Dinis, em Ovar. Marisa Cardoso, a fotógrafa do projecto, recordou que “tudo começou em 2017 quando surgiu um trabalho, em Agosto, sobre confrarias gastronómicas”. Esta reportagem durou um dia e levou-as a visitar quatro confrarias portuguesas na região Centro.

Durante esse trabalho, Marisa Cardoso e Ana Catarina André perceberam o quão “interessante era tudo o que envolve o universo das confrarias”.

Embarcaram então na aventura de percorrer 13 mil quilómetros para registar as histórias detalhadas de 56 confrarias portuguesas em 250 páginas, com algumas das mais icónicas iguarias portuguesas. Aliando o texto à fotografia, as autoras procuraram acompanhar os processos inerentes à preparação de cada uma das receitas ou produtos referentes a cada local.

De acordo com a fotógrafa, este é um livro que valoriza a gastronomia nacional e o património cultural, com um maior número de confrarias portuguesas e onde existe “mais espaço” para contar as suas histórias de forma detalhada. Ana Catarina André, jornalista, referiu que, em cada texto, procurou sempre “destacar o que é mais inédito em cada uma das confrarias”. Segundo ela, no livro “existe um conjunto de pormenores que, jornalisticamente, enriquecem a história e ajudam as pessoas a perceber as particularidades destes locais e produtos”.

Entre outros exemplos também mencionados pela autora, é destacado o “trabalho notável de preservação dos produtos” por parte das confrarias. “Este é um livro que está centrado no trabalho que as confrarias gastronómicas fazem na preservação destes produtos e alia a história do produto à história da confraria”, esclareceu a autora.

O lançamento da obra mereceu a presença do vereador Domingos Silva, da Câmara Municipal de Ovar, que enalteceu a iniciativa das jornalistas, pois “dá a conhecer o nosso património gastronómico, porque é também pela gastronomia que nos identificamos”. O autarca apontou, a título de exemplo, o icónico Pão de Ló, que logo se associa a Ovar, o mesmo acontecendo com a Fogaça em relação a Santa Maria da Feira ou com a Enguia da Murtosa. “São todos elementos identitários que associamos ao território” e, por outro lado, “não podemos esquecer o longo caminho que percorremos ao lado da Confraria Gastronómica do Concelho de Ovar”, cujo trabalho elogiou.

Ricardo Nunes, Arrais de Mar da confraria vareira, que é uma das que integra esta primeira edição a convite da Federação das Confrarias e com o apoio do município, sublinhou que “as confrarias fazem um trabalho extraordinário” e que o livro “surge em boa altura, pois afirma-nos enquanto parceiros da promoção turística e gastronómica”.

 

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo