Primeira VistaSaúde

Marcha pela defesa do direito de serviços de saúde de proximidade

Realiza-se amanhã, dia 20, a Marcha pela defesa do direito de Serviços de Saúde de Proximidade, numa iniciativa da denominada Plataforma de Intervenção Cívica – Coração Vareiro, que criou o movimento intitulado ASO – Acorda, Ovar, Saúde.

“Somos apartidários e decidimos dar voz à população de Ovar, para o facto da já referida reestruturação da prestação dos cuidados de saúde do concelho de Ovar e a referenciação dos respectivos utentes para a nova unidade local de saúde (ULS) a criar em Aveiro, quando a população prefere estar associada à futura ULS de Santa Maria da Feira, que se situa a 15 minutos de Ovar”, salienta a ASO.

Vários relatos da população referem encaminhamentos de utentes para a realização de exames no Hospital de Aveiro, assim como, contactos com a linha SNS24 a orientar as pessoas para o mesmo Hospital ou para Coimbra.

“A nossa preocupação prende-se com todas as dificuldades que esta situação irá acarretar”, sustenta a ASO, apontando a “distância, o tempo de viagem, a ausência de transportes públicos directos para Aveiro, os custos e o risco que as pessoas correm se necessitarem de cuidados de saúde urgentes, que são muito elevados”. A freguesia de Esmoriz, por exemplo, notam, “está a cerca de 50 kms do Hospital de Aveiro, o que é de todo inconcebível”.

Sendo este o principal motivo de reivindicação, esta marcha também pretende alertar, e não deixar cair no esquecimento, outros problemas sentidos no concelho de Ovar no que toca à saúde.

Entre eles está “a reabertura do Serviço de urgência Básico do Hospital Dr. Francisco Zagalo, o reforço de outras valências deste, a reabertura do Polo de Arada e Maceda, assim como o reforço de recursos médicos e de enfermagem”.

O ASO diz ser “evidente que as estruturas locais dos principais partidos têm pouca influência nacional e, por isso, é urgente sermos ouvidos pelo Ministério da Saúde, pois somos nós, população de Ovar, que vão prejudicar”.

O presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, já anunciou que não tomará parte desta marcha. “Não estarei presente porque, o facto de continuar com o pé engessado, não me permite participar”.

Por outro lado, em condições normais, o autarca diz que “também não participaria, porque esta marcha é organizada pelo Coração Vareiro cujos mentores sem rosto não respeito, tendo em conta a perseguição fanática têm feito à minha pessoa e à minha equipa, assim como a toda a minha gestão autárquica à frente da Câmara Municipal de Ovar, ao longo dos últimos anos”.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo