Cultura

Margarita Balanas em concerto no Europarque com a Orquestra Filarmónica Portuguesa

Friederich Gulda (1930-2000) e Johannes Brahms (1833-1897) são os compositores cuja obra vai marcar o concerto de encerramento da 45.ª edição do FIMUV, quando a Orquestra Filarmónica Portuguesa (OFP) subir ao palco do Grande Auditório do Europarque, em Santa Maria da Feira, para atuar com a violoncelista letã Margarina Balanas. O espetáculo está marcado para as 21h30 do próximo sábado, tem bilhetes ao preço simbólico de 5 a 8 euros, e promete desempenhos de elevada qualidade técnica e artística pelo coletivo português e pela jovem que, além de instrumentista, também é maestrina e realizadora de cinema.
Aos 29 anos de idade, Margarita é elogiada pela sua “mestria e hipnotizante presença em palco”, por ser “poderosa, delicada, intensa e brilhante” (festival Glam Adelaide) e por constituir o que definem como “uma estrela em ascensão” (Hampshire Chronicle). Desde que fez a sua estreia aos 17 anos no britânico Wigmore Hall, Margarita Balanas tem impressionado plateias de todo o mundo e já tocou, inclusive, perante o agora Rei Carlos III de Inglaterra.
Do seu currículo individual – distinto das performances em duo ou em trio com os seus irmãos, também eles artistas de craveira internacional – constam colaborações a solo com coletivos como a Filarmónica de Munique, a Sinfónica de Barcelona, a Camerata Jerusalém, a Orquestra Das Sinfonie Berlin, a Sinfonietta Riga, a Filarmónica de Malta, a Orquestra Sinfónica Nacional da Lituânia e a Deutsche Philharmonie Merck. A sua jovem carreira integra igualmente concertos em salas como a Royal Festival Hall, a Berliner Philharmonie, a Laeiszhalle Hamburg, o Southbank Centre, o L’Auditori de Barcelona, a Casa da Música, o Walt Disney Hall e a Fundação Louis Vuitton.
Em 2020, Margarita Balanas foi nomeada Patrona Honorária da Fundação BOV Joseph Calleja e fez digressões pela América do Sul com a violinista Anne-Sophie Mutter e com o ensemble Mutter Virtuosi. No mesmo ano ainda se iniciou como cineasta, lançando a curta-metragem “Pianissimo”, que foi exibida no Festival Peteris Vasks e no Festival Internacional de Violoncelo, ambos na Letónia.
Seguiu-se, em 2021, o seu álbum de estreia com o Concerto para Violoncelo N.º 1, de Camille Saint-Saëns, e outros trabalhos discográficos com a Linn Records. Desde então, essas obram integram algumas das listas de reprodução mais ouvidas da Apple Music, como “Classical You Must Hear This Month /Clássica Que Deve Ouvir Este Mês”, “Mulheres na Música Clássica” e “The A-List Classical / A Lista A da Clássica”.
No mesmo ano, Margarita foi Artista Residente do Concert Hall “Cesis” e, juntamente com os seus irmãos, os violinistas Kristine e Roberts, fez a primeira apresentação de “3 Balanas”, com a Sinfonietta de Riga e sob a direção do maestro Ben Palmer. Os três irmãos fundaram depois a organização “Balanas Classical”, que promove a música erudita através de concertos, workshops e masterclasses.
Já em 2022, a violoncelista venceu o Latvian Grand Music Award e tornou-se artista convidada das emissoras radiofónicas Classic FM, Scala Radio e BBC Radio 3 In Tune.
Com um violoncelo do século XIX batizado por Tolbecque
Margarita Balanas toca atualmente com o violoncelo denominado “Auguste Tolbecque”, que foi construído pelo luthier Charles-Adolphe Gand em 1849. Esse instrumento de execução aprimorada exibe ainda hoje uma acústica impressionante e foi, aliás, tema de um documentário produzido pelo Museu de Arte de Telavive, depois de a artista letã o ter tocado nesse equipamento cultural de Israel. O filme aborda aspetos como o percurso histórico do violoncelo, que, cedido a Balanas sob empréstimo da fundação “The Little Butterfly”, deve o nome “Tolbecque” ao facto de esse músico francês o ter usado na primeira apresentação pública do Concerto N.º 1 de Saint-Saens, escrito especificamente para o referido músico.
Uma orquestra com portugueses premiados e estrangeiros imigrados
Fundada em maio de 2016 pelo maestro Osvaldo Ferreira e pelo violinista Augusto Trindade, que é também o diretor artístico do FIMUV, a OFP integra instrumentistas premiados em concursos nacionais e internacionais, ex-elementos da Orquestra Jovem da União Europeia e músicos estrangeiros residentes em Portugal. Do repertório deste coletivo constam concertos sinfónicos, óperas e colaborações com géneros artísticos como o jazz e o fado, o que reflete uma abordagem inovadora que, segundo os próprios fundadores, procura privilegiar “versatilidade, ecletismo e visão de futuro”. Testemunho disso são as parcerias da OFP com referências de prestígio internacional como a agência Harrison Parrott, a escola Brass Academy Alicante, a Berliner Camerata e a sua congénere da Royal Concertgebow Orchestra.
Quanto a solistas, a lista de músicos com quem a OPF tem atuado inclui Eldbjørg Hemsing, Kristina Miller, Mayuko Kamio, Miroslav Kultyshev, Pavel Gomziakov, Pavel Milyukov, Ray Chen, Soyoung Yoon e Yang Liu, mas abrange igualmente talentos portugueses, como Ana Beatriz Ferreira, Cristiana Oliveira, João Bettencourt da Câmara, Horácio Ferreira, Luísa Tender, Marco Alves dos Santos, Raúl da Costa e Vasco Dantas.
A direção artística da orquestra cabe a Osvaldo Ferreira, que já antes liderou a Orquestra do Algarve, o Festival Internacional de Música do Algarve e a Oficina de Música de Curitiba, no Brasil. Em 1999, no início da sua carreira,o músico foi laureado no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia, após o que recebeu uma bolsa do Festival de Música de Aspen, onde frequentou a American Conductors Academy. Depois disso tornou-se assistente de Claudio Abbado em Salzburgo e Berlin, estudou com Jorma Panula e David Zinman, e também foi bolseiro do Ministério da Cultura e da Fundação Calouste Gulbenkian. Como maestro convidado, apresentou-se ainda em cidades como Berlim, Viena, Bruxelas, Roma, Praga, Madrid, Cape Town, Caracas, Rio de Janeiro, S. Paulo, S. Petersburgo, Londres e Chicago.
Pelos méritos de maestro e coletivo, em maio de 2022 a OFP foi a formação convidada pela UNESCO para atuar na sede dessa organização das Nações Unidas, em Paris, no âmbito do programa comemorativo do Dia Mundial da Língua Portuguesa.

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo