Cultura

Margarita Balanas em concerto no Europarque com a Orquestra Filarmónica Portuguesa

Friederich Gulda (1930-2000) e Johannes Brahms (1833-1897) são os compositores cuja obra vai marcar o concerto de encerramento da 45.ª edição do FIMUV, quando a Orquestra Filarmónica Portuguesa (OFP) subir ao palco do Grande Auditório do Europarque, em Santa Maria da Feira, para atuar com a violoncelista letã Margarina Balanas. O espetáculo está marcado para as 21h30 do próximo sábado, tem bilhetes ao preço simbólico de 5 a 8 euros, e promete desempenhos de elevada qualidade técnica e artística pelo coletivo português e pela jovem que, além de instrumentista, também é maestrina e realizadora de cinema.
Aos 29 anos de idade, Margarita é elogiada pela sua “mestria e hipnotizante presença em palco”, por ser “poderosa, delicada, intensa e brilhante” (festival Glam Adelaide) e por constituir o que definem como “uma estrela em ascensão” (Hampshire Chronicle). Desde que fez a sua estreia aos 17 anos no britânico Wigmore Hall, Margarita Balanas tem impressionado plateias de todo o mundo e já tocou, inclusive, perante o agora Rei Carlos III de Inglaterra.
Do seu currículo individual – distinto das performances em duo ou em trio com os seus irmãos, também eles artistas de craveira internacional – constam colaborações a solo com coletivos como a Filarmónica de Munique, a Sinfónica de Barcelona, a Camerata Jerusalém, a Orquestra Das Sinfonie Berlin, a Sinfonietta Riga, a Filarmónica de Malta, a Orquestra Sinfónica Nacional da Lituânia e a Deutsche Philharmonie Merck. A sua jovem carreira integra igualmente concertos em salas como a Royal Festival Hall, a Berliner Philharmonie, a Laeiszhalle Hamburg, o Southbank Centre, o L’Auditori de Barcelona, a Casa da Música, o Walt Disney Hall e a Fundação Louis Vuitton.
Em 2020, Margarita Balanas foi nomeada Patrona Honorária da Fundação BOV Joseph Calleja e fez digressões pela América do Sul com a violinista Anne-Sophie Mutter e com o ensemble Mutter Virtuosi. No mesmo ano ainda se iniciou como cineasta, lançando a curta-metragem “Pianissimo”, que foi exibida no Festival Peteris Vasks e no Festival Internacional de Violoncelo, ambos na Letónia.
Seguiu-se, em 2021, o seu álbum de estreia com o Concerto para Violoncelo N.º 1, de Camille Saint-Saëns, e outros trabalhos discográficos com a Linn Records. Desde então, essas obram integram algumas das listas de reprodução mais ouvidas da Apple Music, como “Classical You Must Hear This Month /Clássica Que Deve Ouvir Este Mês”, “Mulheres na Música Clássica” e “The A-List Classical / A Lista A da Clássica”.
No mesmo ano, Margarita foi Artista Residente do Concert Hall “Cesis” e, juntamente com os seus irmãos, os violinistas Kristine e Roberts, fez a primeira apresentação de “3 Balanas”, com a Sinfonietta de Riga e sob a direção do maestro Ben Palmer. Os três irmãos fundaram depois a organização “Balanas Classical”, que promove a música erudita através de concertos, workshops e masterclasses.
Já em 2022, a violoncelista venceu o Latvian Grand Music Award e tornou-se artista convidada das emissoras radiofónicas Classic FM, Scala Radio e BBC Radio 3 In Tune.
Com um violoncelo do século XIX batizado por Tolbecque
Margarita Balanas toca atualmente com o violoncelo denominado “Auguste Tolbecque”, que foi construído pelo luthier Charles-Adolphe Gand em 1849. Esse instrumento de execução aprimorada exibe ainda hoje uma acústica impressionante e foi, aliás, tema de um documentário produzido pelo Museu de Arte de Telavive, depois de a artista letã o ter tocado nesse equipamento cultural de Israel. O filme aborda aspetos como o percurso histórico do violoncelo, que, cedido a Balanas sob empréstimo da fundação “The Little Butterfly”, deve o nome “Tolbecque” ao facto de esse músico francês o ter usado na primeira apresentação pública do Concerto N.º 1 de Saint-Saens, escrito especificamente para o referido músico.
Uma orquestra com portugueses premiados e estrangeiros imigrados
Fundada em maio de 2016 pelo maestro Osvaldo Ferreira e pelo violinista Augusto Trindade, que é também o diretor artístico do FIMUV, a OFP integra instrumentistas premiados em concursos nacionais e internacionais, ex-elementos da Orquestra Jovem da União Europeia e músicos estrangeiros residentes em Portugal. Do repertório deste coletivo constam concertos sinfónicos, óperas e colaborações com géneros artísticos como o jazz e o fado, o que reflete uma abordagem inovadora que, segundo os próprios fundadores, procura privilegiar “versatilidade, ecletismo e visão de futuro”. Testemunho disso são as parcerias da OFP com referências de prestígio internacional como a agência Harrison Parrott, a escola Brass Academy Alicante, a Berliner Camerata e a sua congénere da Royal Concertgebow Orchestra.
Quanto a solistas, a lista de músicos com quem a OPF tem atuado inclui Eldbjørg Hemsing, Kristina Miller, Mayuko Kamio, Miroslav Kultyshev, Pavel Gomziakov, Pavel Milyukov, Ray Chen, Soyoung Yoon e Yang Liu, mas abrange igualmente talentos portugueses, como Ana Beatriz Ferreira, Cristiana Oliveira, João Bettencourt da Câmara, Horácio Ferreira, Luísa Tender, Marco Alves dos Santos, Raúl da Costa e Vasco Dantas.
A direção artística da orquestra cabe a Osvaldo Ferreira, que já antes liderou a Orquestra do Algarve, o Festival Internacional de Música do Algarve e a Oficina de Música de Curitiba, no Brasil. Em 1999, no início da sua carreira,o músico foi laureado no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia, após o que recebeu uma bolsa do Festival de Música de Aspen, onde frequentou a American Conductors Academy. Depois disso tornou-se assistente de Claudio Abbado em Salzburgo e Berlin, estudou com Jorma Panula e David Zinman, e também foi bolseiro do Ministério da Cultura e da Fundação Calouste Gulbenkian. Como maestro convidado, apresentou-se ainda em cidades como Berlim, Viena, Bruxelas, Roma, Praga, Madrid, Cape Town, Caracas, Rio de Janeiro, S. Paulo, S. Petersburgo, Londres e Chicago.
Pelos méritos de maestro e coletivo, em maio de 2022 a OFP foi a formação convidada pela UNESCO para atuar na sede dessa organização das Nações Unidas, em Paris, no âmbito do programa comemorativo do Dia Mundial da Língua Portuguesa.

 

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo