LocalPrimeira Vista

Mártires do corte das videiras tombaram há 83 anos

Válega perdeu dois dos seus na revolta

Ainda há quem se lembre daquele fatídico dia 15 de Maio de 1939. A lápide resume a história. “Neste local, foram mortos Jaime da Costa e Manuel Maria Valente de Pinho por uma força militar que investiu contra o povo de Válega que se opôs ao corte das videiras de vinho americano”.

Salazar proibira a plantação de videiras americanas sem ser para porta-enxertos de castas portuguesas. Válega não acatou e a GNR marchou para cortar as videiras fora da lei.

O povo revoltou-se, armou-se com alfaias agrícolas, cercou os militares no adro da igreja e os sinos tocaram a rebate.

Os reforços não tardaram. A população atirou pedras, a resposta foi dada com tiros. Houve feridos, presos e dois homens perderam a vida.

O decreto-lei de 18 de Abril de 1935 não permitia a plantação de videiras americanas sem ser para lhes enxertar castas nacionais, determinando o arranque, a substituição ou enxerto das existentes.

Os viticultores eram obrigados a inutilizar as enxertias efectuadas depois de Outubro de 1934.
Nove anos depois, a legislação mudou e decidiu-se aplicar uma multa aos agricultores que desrespeitavam os imperativos legais.

Naquela refrega que o povo não esquece (autoridades voltaram esta semana ao local), Válega perdeu dois dos seus. Jaime era pedreiro e tinha 18 anos, Manuel era agricultor e tinha 38.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo