SaúdeSlider

Ministra da Saúde não abre o cerco sem ter a certeza que “estamos no caminho certo”

Esta segunda-feira, registavam-se 20 óbitos e 568 infectados confirmados

A Ministra da Saúde, Marta Temido, justificou a manutenção do cerco sanitário no concelho de Ovar com a “avaliação permanente da situação epidemiológica feita pela autoridades”.

Questionada na conferência de imprensa diária da Direcção-Geral da Saúde (DGS) sobre como é que justifica que se mantenha há 26 dias o cordão sanitário no concelho de Ovar, Marta Temido disse que há uma avaliação epidemiológica que é feita pelas autoridades locais e regionais. Essa avaliação é “direccionada para a Direcção-Geral de Saúde, Ministério da Saúde e Ministério da Administração Interna que fazem a análise e leva a que ainda haja cerco”.

Marta Temido garante que “queremos que [a situação em Ovar] tenha uma duração o mais curta possível, mas não vamos alterar sem termos a certeza que estamos no caminho certo”.

O presidente da Câmara de Ovar também fez uma actualização dos dados nesta segunda-feira referindo que a situação relativamente ao novo coronavírus no concelho “continua complicada”, dando conta que, até às 11h30 desta segunda-feira, registavam-se 20 óbitos e 568 infectados confirmados. Destes, destacam-se ainda 52 recuperados.

Salvador Malheiro detalhou que há 411 infectados na União de Freguesias, 84 em Válega, 37 em Esmoriz, 22 em Maceda e 12 em Cortegaça.

“Não podemos relaxar. Temos todos que cumprir com as regras”, apelou o autarca.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta