LocalSlider

Ministro do Ambiente disponível para avaliar eclusa na Ria

O Ministro do Ambiente, João Pedro Matos, disse conhecer a ideia manifestada pelos presidentes de câmara de Ovar, Estarreja e Murtosa para a possível instalação de uma eclusa a norte da ponte da Varela, com o objectivo de criar um espelho de água estável e regularizar as marés e o caudal da Ria a norte. “Conheço a intenção mas não conheço qualquer projecto nesse sentido”, disse o ministro, que esteve em Ovar, na sexta-feira, numa conferência sobre ambiente promovida pela Federação do PS de Aveiro.

No entanto, acrescentou: “Não tenho nunca uma postura fechada para nada e, perante um projecto concreto, poderemos avaliá-lo, sendo que a forma como queremos evitar a intrusão salina nos terrenos das margens da Ria, é precisamente com este desassoreamento e com a colocação, com alguma expressão, das areias resultantes do desassoreamento, no reforço das motas e no alteamento das margens”.

Os anunciados trabalhos de desassoreamento da Ria custarão 25 milhões de Euros, deverão arrancar em abril do próximo ano e estar concluídos em Setembro de 2019, envolvendo a movimentação de 1,5 milhões de metros cúbicos de areias e o desassoreamento de mais de 100 quilómetros de canais, cales e esteiros, sendo grande parte dos inertes destinados ao reforço do cordão dunar na costa.

O ministro revelou ainda que o investimento total previsto para a defesa do Litoral aveirense em 2017 é de 53 milhões de euros, cerca de 35% do total. João Pedro Matos Fernandes anunciou ainda que 20% dos 150 milhões do Fundo de Coesão disponibilizados pelo POSEUR, respeita a intervenções apenas em Ovar, Murtosa, Ílhavo e vagos.

Anunciou também que serão “injectados shots de areia, num total de dois milhões de metros cúbicos de areia, na costa aveirense, entre as praias da Costa Nova e a Vagueira, numa operação resultante do protocolo de colaboração assinado entre a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Administração do Porto de Aveiro”. “O objectivo é saturar de areia aquela zona do litoral que se encontra deficitária”, explicou o governante.

Das obras de defesa costeira em Ovar o ministro não falou mas instado a pronunciar-se sobre o assunto pelo OvarNews revelou que as omitiu “propositadamente, pois não consigo, neste momento, quantificá-las nem dar-lhes um calendário”.

O POC – Programa de Orla Costeira prevê a construção de dois quebra-mares destacados, submersos e paralelos à costa de Ovar. “É a Câmara Municipal de Ovar que está a desenvolver estes projectos, que temos acompanhado e gostaríamos que fosse depressa, na certeza de que são muito importantes numa dupla perspectiva: para dissipar energia do mar e, por outro, porque também temos shots de areia previstos para Ovar, mas estamos à espera que o projecto se conclua”.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta