LocalSlider

Mulher queixa-se de ter sido operada às vértebras erradas

Uma mulher residente no concelho de Ovar queixa-se de um suposto erro médico durante uma operação a uma hérnia discal, no Hospital de Aveiro, e decidiu avançar com um processo cível contra aquela unidade hospitalar, exigindo uma indemnização de 272 mil euros.

Além do Hospital de Aveiro, a acção tem como réus os três ortopedistas que integraram a equipa médica que operou a paciente. Entre os médicos acusados está uma ortopedista condenada a 15 de julho de 2014 a uma pena suspensa de um ano e oito meses por burlar o Estado em 145 mil euros, para ajudar a equilibrar as contas do hospital.

Além do processo cível, os três médicos foram acusados na esfera criminal por um crime de intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos. No entanto, o Ministério Público decidiu arquivar o processo contra os clínicos que aceitaram pagar 21 mil euros à paciente.

O caso remonta a março de 2009, quando a mulher deu entrada no Hospital de Aveiro para ser sujeita a uma intervenção cirúrgica a uma “volumosa” hérnia discal na coluna cervical.

Três dias após a intervenção, a utente teve alta hospitalar, mas continuava a sentir dores e não conseguia fazer qualquer movimento com o pescoço.

Passados dois anos, e uma vez que não se notaram quaisquer melhorias, a mulher decidiu consultar outros ortopedistas, tendo acabado por descobrir que, afinal, tinha sido operada às vértebras erradas, refere o texto da acção cível intentada pela paciente.

Como consequência da operação, a doente diz que ficou “inutilizada” para a sua vida familiar e para o trabalho, estando há três anos de baixa médica.

O hospital, por seu lado, assume que a cirurgia realizada não foi de facto a que estava proposta, mas alega que “o procedimento realizado foi feito em benefício da melhoria do estado da autora”.

Na contestação, a ortopedista que chefiou a equipa médica afirma que a sua actuação “pautou-se pelo cumprimento escrupuloso da ‘leges artis’”.

A cirurgiã explicou que quando a utente estava no bloco, depararam-se com uma “grande instabilidade” entre duas vértebras diferentes das que deviam ser operadas e “foi então decidido tratar essa instabilidade”.

Os outros dois membros da equipa médica alegam que não tiveram qualquer responsabilidade na alteração do referido plano cirúrgico.(*com Lusa)

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo