Cultura

“Nebulosa” ou como cabe a fotografia no Caixa de Dança’ 22

O Festival de Dança de Ovar volta a acontecer em 2022, com um formato mais alargado no tempo e no espaço e com novas expressões culturais. Para além de duas produções de dança com a participação da comunidade, o Caixa de Dança’22 integra uma exposição, com visitas orientadas e duas oficinas.

O arranque aconteceu esta sexta-feira, com a inauguração da exposição fotográfica “Nebulosa” de Ana Guilherme Ruano e Diogo Marques, no Centro de Arte de Ovar.

Durante o Festival de Dança, por Ovar passam grandes produções nacionais que coabitam com artistas e agentes locais num encontro de criação coreográfica que pretende contribuir para a promoção e valorização de todos aqueles que trabalham na área da dança e oferecer bons espetáculos ao público.

Num desdobramento entre o real e o imaginário, “Nebulosa” é um trabalho fotográfico de cor e de luz onde nuvens cósmicas compostas por poeira espacial, plasma e hidrogénio são observadas no espaço pela luz que as ilumina. A exposição abriu o Festival de Dança de Ovar e fica patente até ao dia 25 de novembro.

De “Nebulosa” nascem duas oficinas – dança e fotografia – orientadas por Ana Guilherme Ruano e Diogo Marques, nos dias 26 e 27 de outubro, no Centro de Arte de Ovar, dirigidas a todos os públicos com interesse nestas áreas artísticas.

“Drama”, com direção e coreografia de Victor Hugo Pontes e com a participação da comunidade local, subirá ao palco do Centro de Arte de Ovar no dia 4 de novembro, pelas 21h30, marcando o primeiro grande espetáculo do Caixa de Dança’22. Nesta peça, Victor Hugo Pontes confronta as barreiras que separam (ou não) o teatro e a dança, a palavra e o movimento.

Já no dia 18 de novembro, Yola Pinto apresenta “Reload Nenhum Lugar É, Sem Um Génio..”, uma performance participativa de desenvolvimento comunitário através da dança que homenageia a hipótese de recomeçar do zero e explora as relações humanas, a relação entre o Homem e o ambiente. Um espectáculo

em coprodução Centro de Arte de Ovar que integrará a participação da comunidade.

O ambiente de proximidade que está na génese do Caixa de Dança permite que o público interaja com os artistas, produtores, equipas e bailarinos, quer como participantes, quer nas conversas formais e contacto informal que se propicia nos espaços e momentos do Festival de Dança. Os bilhetes para os dois espetáculos do Caixa de Dança podem ser adquiridos na bilheteira do Centro de Arte de Ovar ou na bilheteira online.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo