CulturaSlider

Novo Bispo pediu em favor dos “frágeis, os pobres e os que sofrem”

O novo bispo do Porto elogiou a “alma” da população local e pediu um esforço conjunto em favor dos “frágeis, os pobres e os que sofrem” que envolva a Igreja e a sociedade.

“Grande é a alma portuense, solidária e exemplar, até para o todo nacional”, disse D. António Francisco dos Santos, na Catedral diocesana, na homilia da Missa que assinalou a sua entrada solene, este domingo.

O sucessor de D. Manuel Clemente, nomeado pelo Papa Francisco a 21 de fevereiro, destacou as caraterísticas próprias de um “povo consistente e nortenho”, em particular a sua “tenacidade” e “criatividade” face às dificuldades, que são motivo de “esperança forte” para o futuro.

D. António Francisco dos Santos referiu-se particularmente à “capacidade de criar, empreender e inovar” com que se tem conseguido resistir e até “superar” as dificuldades criadas pela crise.

Nesse sentido, o bispo mostrou-se satisfeito com a ação face às “necessidade que não podem esperar”, indo ao encontro de problemas imediatos, “da alimentação à saúde, da habitação aos recursos mínimos”

O responsável prometeu “diálogo” com todas as autoridades locais, para promover “o serviço da vida, a procura do bem comum, o valor da dignidade humana, o respeito pela liberdade e o esforço da coesão social”.

“Apenas quem serve com amor e ternura, que são as linhas do rosto de Deus, é capaz de cuidar, de proteger, de promover e de salvar o seu povo”, referiu anteriormente, numa intervenção em que mostrou a intenção de transmitir uma mensagem centrada na “esperança” e nas “boas notícia de Deus”.

O novo bispo do Porto afirmou que as Bem-aventuranças são o seu “padrão” e “paradigma” de ministério, deixando votos de que todos os católicos do Porto sejam “mensageiros e protagonistas” das mesmas, “numa linguagem serena, positiva e confiante”.

D. António Francisco declarou não trazer consigo planos pastorais predefinidos, pedindo atenção à inspiração do “Espírito de Deus”.

“Saberemos ajoelhar diante de Deus em oração, para servir de pé, com passo serenos mas decididos, a Igreja e o mundo, como nos ensinou D. António Ferreira Gomes [1906-1989]”, sublinhou, numa passagem em que evocou os seus predecessores mais recentes.

No início da Missa, o núncio apostólico [embaixador da Santa Sé] leu as cartas apostólicas de nomeação, nas quais se destaca a “grande experiência pastoral” de D. António Francisco dos Santos, até agora bispo de Aveiro.

O documento original, em latim, com a assinatura do Papa Francisco, foi exibido aos fiéis por D. Rino Passigato, num momento sublinhado com palmas pela assembleia.

A cerimónia contou com a presença de autoridades políticas, civis, judiciais, académicas e religiosas, incluindo o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira.

D. António Francisco dos Santos, de 65 anos, tomou posse este sábado perante o Colégio de Consultores da diocese no Paço Episcopal, numa cerimónia privada.

(*com Agência Ecclesia)

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo