CulturaPrimeira VistaVerão 2022

O avanço do mar derrubou a Capela Velha do Furadouro em 1939

Desengane-se quem pensa que a erosão é um fenómeno novo ou recente. As alterações climáticas podem tê-la agravado ou até mesmo apressado, mas a história diz-nos que as gentes do Furadouro sempre viveram em sobressalto.
A primitiva Capela do Senhor da Piedade na praia do Furadouro, a Capela Velha do Mar (1766-1939), que substituíra uma ermida de madeira erguida em 1759, situava-se na continuação da avenida Central do Furadouro, voltada para o Oceano, e tinha a forma de oratório ou pequeno forno.
Em 1887 a população, considerando a capela existente semelhante a um forno ou a um moinho, algo manifestamente vergonhoso aos olhos dos ovarenses, aceita erigir um novo templo.Construída ao cimo da Rua do Comércio do Porto, junto à praia, com uma superfície de 146 m2, a capela foi benzida no dia 24 de setembro de 1890 e dedicada a Nª Srª do Livramento.
Em 1924, o mar em fúria veio bater na capela do Senhor da Piedade pondo o pilar à vista dum lado, na altura de cerca de dois metros, obrigando à colocação duma escada de madeira para se poder entrar na capela. No ano seguinte o mar chegou até junto da mesma capela, descobrindo-lhe parte dos alicerces.
Em 1935, a Junta de Turismo da praia do Furadouro aditou à Capela Velha do Mar um varandim.
Avançando pela praia, em Dezembro de 1938, o mar destruiu a escadaria, parte sul do miradouro e a sacristia da capela.
Esta primeira Capela do Senhor da Piedade veio a ser derrubada pelo mar a 23 de Fevereiro de 1939. Foi precisamente às 16 horas e 10 minutos que ruiu a capela velha!

Em 1948 foi organizada uma comissão para a construção da nova capela, sendo o primeiro projeto aprovado em dezembro de 1950.

Contudo, a obra não avançou e foi necessário efetuar uma revisão ao projeto original pelo arquitecto Januário Godinho. O projeto foi dividido em várias fases: construção do corpo da capela, com nartex, nave principal e capela-mor, construção da sacristia, torre sineira, salão paroquial (catequese), residência paroquial e coberto anexo. Estes três últimos espaços não chegaram a ser construídos.

A festa do Mar ou ou dos Pescadores é o nome dado à conhecida e popular romaria do Senhor da Piedade, na praia do Furadouro.

No ano de 1954, a Câmara solicitou que fosse considerado feriado concelhio a 2.ª feira imediata ao 3.º domingo de Setembro, isto é, o dia em que se realizava a Festa do Mar na praia do Furadouro.
Em 1958, a Câmara Municipal, com anuência do bispo do Porto, autoriza a sua demolição, por se encontrar bastante danificada pelo mar.
A romaria do Furadouro e a romaria de S. Paio da Torreira, eram as duas grandes festas marítimas do distrito de Aveiro.
Os festejos que atraíam à praia do Furadouro inúmeros forasteiros, realizavam-se (ainda hoje se realizam) num domingo de Setembro: no sábado anterior os andores dos santos padroeiros das companhas, conduzidos por pescadores, chegavam ao Furadouro provenientes de Ovar; no Domingo a procissão percorria a beira-mar e as principais ruas das povoações, parando em frente à capela do Senhor da Piedade para o abade lançar a benção ao mar. Quando passava junto aos armazéns das companhas eram lançadas numerosas girândolas e foguetes; à noite havia arraial, iluminações, bandas de música e fogo.

A 27 de junho de 1966 inicia-se a construção, da responsabilidade de António Silvina, e a 28 de julho de 1968 abre ao culto. Em fevereiro de 1995, o Gabinete de Estudos e Projectos da Câmara Municipal de Ovar executa um projeto para o arranjo envolvente à Capela, inaugurado a 14 de setembro de 1997.

.De 1961 a 1976 não se realizaram as festas do Furadouro, mas em Setembro de 1977, as festas profanas e religiosas voltaram a animar a praia.

.De 1981 a 1991 houve novo interregno (11 anos sem festas).

.Em 1992 a Comissão de Melhoramentos do Furadouro, retomou e mantém a sua realização.

 

*com Projecto de Lei N.º 147/IX
Criação da Freguesia do Furadouro, 
no Concelho de Ovar, Distrito de Aveiro
e
O Mar e a Religião no Concelho de Ovar
Aspetos artísticos da Época Moderna ao Século XX,
por Sofia Nunes Vechina

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo