Opinião

O Presidente Sampaio e Eu (Na humildade do meu Eu) – Parte III

Breve relato de Episódios Presenciais com o Presidente Jorge Sampaio

Terminadas as conversações que haviam motivado aquele encontro desloquei-me para casa, já de noite, com tempo de inverno e frio, e que me obrigaram a utilizar em permanência aquele agasalho. Chegado a casa contei a minha Mulher o sucedido e troquei de roupa, tendo dependurado o referido sobretudo no guarda-fatos no lado da minha roupa de uso invernal.

Volvidos uns dias a minha Mulher necessitou vestir o seu casaco comprido, também azul, e não o viu. Perguntou-me se sabia algo sobre isso, tendo-me deslocado ao guarda-fatos onde verifiquei que se encontrava um agasalho dentro das tradicionais protecções das lavandarias. Aí verificamos que eu tinha andando “24 horas nas
passarelas” com o seu  casaco e que tinha acontecido uma pequena “tragédia” de troca de indumentária, razão pela qual o Presidente Sampaio, que de tal se havia apercebido, tinha no seu humor fino e discreto, insinuado
que eu tinha um sobretudo “muito lindo”. Pudera…

Quase uma década volvida, e igualmente a um dia 24 de Janeiro, só que já em 2013, o agora ex-Presidente Jorge
Sampaio visita Estarreja, onde no Cine Teatro de Estarreja, vem presidir a um debate  sobre Ecumenismo e
Diálogos Inter-Religiosos realizado no âmbito da Missão Jubilar que assinalava os 75 anos da Restauração da
Diocese de Aveiro, contando com a presença do Senhor Bispo e muitos outros Clérigos.

Moderava o debate o jornalista da RTP, Carlos Daniel, perante uma plateia e laterais completamente ocupados
por pessoas de todo o Distrito esgotando-se a lotação, o que motivou portas abertas para no exterior se ouvirem as intervenções.

Aquando da chegada do ex-Presidente Jorge Sampaio ao átrio do Cine –Teatro, dirigi-me na sua direção
solicitando um minuto para lhe contar o sucedido por ocasião da sua visita, 9 anos antes ao Município de Vagos.
Apenas tive a oportunidade para lhe recordar o comentário sobre o meu “agasalho” tendo respondido com um sorriso de aceitação para continuarmos a falar no final do referido debate.

E assim veio a suceder, tendo-me respondido que durante o debate lá se recordou do tal episódio e que nessa ocasião até tinha contado em casa à Família o que havia sucedido. As Assessoras/es e outros acompanhantes ao
ouvirem este diálogo e tomarem conhecimento do que havia acontecido, abriram largos sorrisos.
Tive então o prazer de o acompanhar até à sua viatura e despedimo-nos com toda a cordialidade.

Aqui fica, pois, o registo de algo que pode ser considerado um tanto estranho e singular, mas que assim mesmo
aconteceu e me liga à memória pessoal que guardo de Jorge Sampaio.

O mais importante e essencial da narrativa é recordar Jorge Sampaio, não só como “uma referência na defesa da
democracia, da igualdade, da solidariedade e dos direitos humanos e um homem do mundo”, mas também como Homem afável e acessível e que, por todas essas razões, será o Presidente da República Portuguesa que jamais será esquecido.

Manuel Júlio dos Santos (Almeida)
Válega, 10 de setembro de 2022, aniversário do falecimento de Jorge Sampaio

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo