Opinião

O Presidente Sampaio e Eu (Na humildade do meu Eu) – Parte III

Breve relato de Episódios Presenciais com o Presidente Jorge Sampaio

Terminadas as conversações que haviam motivado aquele encontro desloquei-me para casa, já de noite, com tempo de inverno e frio, e que me obrigaram a utilizar em permanência aquele agasalho. Chegado a casa contei a minha Mulher o sucedido e troquei de roupa, tendo dependurado o referido sobretudo no guarda-fatos no lado da minha roupa de uso invernal.

Volvidos uns dias a minha Mulher necessitou vestir o seu casaco comprido, também azul, e não o viu. Perguntou-me se sabia algo sobre isso, tendo-me deslocado ao guarda-fatos onde verifiquei que se encontrava um agasalho dentro das tradicionais protecções das lavandarias. Aí verificamos que eu tinha andando “24 horas nas
passarelas” com o seu  casaco e que tinha acontecido uma pequena “tragédia” de troca de indumentária, razão pela qual o Presidente Sampaio, que de tal se havia apercebido, tinha no seu humor fino e discreto, insinuado
que eu tinha um sobretudo “muito lindo”. Pudera…

Quase uma década volvida, e igualmente a um dia 24 de Janeiro, só que já em 2013, o agora ex-Presidente Jorge
Sampaio visita Estarreja, onde no Cine Teatro de Estarreja, vem presidir a um debate  sobre Ecumenismo e
Diálogos Inter-Religiosos realizado no âmbito da Missão Jubilar que assinalava os 75 anos da Restauração da
Diocese de Aveiro, contando com a presença do Senhor Bispo e muitos outros Clérigos.

Moderava o debate o jornalista da RTP, Carlos Daniel, perante uma plateia e laterais completamente ocupados
por pessoas de todo o Distrito esgotando-se a lotação, o que motivou portas abertas para no exterior se ouvirem as intervenções.

Aquando da chegada do ex-Presidente Jorge Sampaio ao átrio do Cine –Teatro, dirigi-me na sua direção
solicitando um minuto para lhe contar o sucedido por ocasião da sua visita, 9 anos antes ao Município de Vagos.
Apenas tive a oportunidade para lhe recordar o comentário sobre o meu “agasalho” tendo respondido com um sorriso de aceitação para continuarmos a falar no final do referido debate.

E assim veio a suceder, tendo-me respondido que durante o debate lá se recordou do tal episódio e que nessa ocasião até tinha contado em casa à Família o que havia sucedido. As Assessoras/es e outros acompanhantes ao
ouvirem este diálogo e tomarem conhecimento do que havia acontecido, abriram largos sorrisos.
Tive então o prazer de o acompanhar até à sua viatura e despedimo-nos com toda a cordialidade.

Aqui fica, pois, o registo de algo que pode ser considerado um tanto estranho e singular, mas que assim mesmo
aconteceu e me liga à memória pessoal que guardo de Jorge Sampaio.

O mais importante e essencial da narrativa é recordar Jorge Sampaio, não só como “uma referência na defesa da
democracia, da igualdade, da solidariedade e dos direitos humanos e um homem do mundo”, mas também como Homem afável e acessível e que, por todas essas razões, será o Presidente da República Portuguesa que jamais será esquecido.

Manuel Júlio dos Santos (Almeida)
Válega, 10 de setembro de 2022, aniversário do falecimento de Jorge Sampaio

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo