Cultura

OV/ Art Gallery anuncia o fim de actividades

Criada, em 2021, pelas mãos insistentes de dois artistas locais, Xavier Paes e Inês Tartaruga Água, a OV/ Art Gallery encerra hoje as suas portas, ou melhor, a sua janela.

Surgido em face da inércia que a pandemia trouxe, em conjunto com a necessidade de longa data de um local de trabalho em Ovar – “um espaço de desenvolvimento de ideias e projectos, que oferecesse condições mínimas para as suas práticas artísticas”, a OV/ Art Gallery nasceu com o objectivo de criar uma “ponte entre a comunidade, tendo em vista, não só a promoção e partilha do trabalho artístico pessoal como a de outros autores”.

Na esperança de criar um novo ponto cultural na cidade, o espaço oficializou-se a 3 de Março de 2021 com o início do programa curatorial Interface – um ciclo feito a partir da montra da antiga loja, utilizando-a como espaço de exposições, de interface e interacção entre o espaço, a rua e os seus transeuntes. Segundo Xavier Paes, esta foi uma “forma de tornar o programa completamente acessível a todos, 24 horas por dia, tendo sempre em mente uma ideia de  equidade e livre acesso, onde a programação era feita e pensada de forma a existir uma representação e oportunidade justas e intercalada entre mulheres e homens, artistas locais, nacionais e internacionais, com percursos distintos, desde autores nossos conterrâneos, até artistas oriundos Brasil ou dos Estados Unidos, que por ali foram passando e mostrando o seu trabalho”.

A OV/ Art Gallery anuncia agora um sempre triste fecho de portas na sequência de “uma inesperada e desagradável notificação de despejo por parte do donos do edifício”, informou um dos seus mentores. “Após um ano de trabalho e construção, reabilitação exaustiva dos ateliers de trabalho, que contava com espaços de secretária, uma sala dedicada à exploração musical, uma sala de cerâmica e uma oficina polivalente, vemo-nos assim obrigados a deixar tudo o que construímos e projectamos para o futuro daquele espaço para trás, sem qualquer prospecção de retorno”, lamenta Xavier Paes.

Esta iniciativa que dois jovens acreditam estar ainda “cheia de potencial”, “nunca chegou a ter qualquer tipo de apoio por parte das estruturas camarárias”, nomeadamente, quando “surgem espaços cedidos pela autarquia a diversas associações”, critica Xavier Paes, “mesmo sabendo do seu poder de dinamizar a sociedade ovarense e de valorização através da partilha de diferentes ideias e trabalhos artísticos, da descentralização cultural através da programação de artistas de outras cidades e países que trairia novos públicos à cidade de Ovar”.

Durante o seu período de existência de pouco mais de um ano, um total de 14 artistas com percursos distintos, alguns com experiência internacional de relevo, expuseram os seus trabalhos neste espaço – Xavier Paes, Inês Tartaruga Água, Pedro Petiz, Marta Arcanjo, Miguel Vieira Pinto, Eva Couteiro, Kauê Gindri, Bárbara Rosário, Bruno Lisboa, Juna Wesley, Tiago Loureiro, Inês Coelho e Xavier Almeida.

Termina-se assim o projecto, no dia 31 de Março, com a exposição relâmpago “Politics of Sun”, de Hugo de Almeida Pinho – numa soma de obras e instalações singulares, algumas delas esteias absolutas, outras cujas exposições antecedentes traziam consigo nomes como Bienal de Cerveira, PB27, MUPI Gallery, e Crypta747 (Torino, IT).

 

 

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo