Publicidade
CulturaPrimeira Vista

Ovar celebra os sons da Lusofonia com o pé na relva do Parque Urbano

Celebrar os sons lusófonos é o objectivo do FESTA, “uma homenagem à palavra cantada em português e às sonoridades vindas dos quatro cantos do mundo, onde a língua de Camões é mãe”, segunda nota de imprensa da autarquia vareira.

Este ano, os convidados vêm de Portugal, Brasil, Cabo-Verde, Moçambique e Angola, trazendo consigo, também, como é hábito, a alegria e a boa disposição, num local de fruição da natureza, o Parque Urbano de Ovar. De acesso gratuito, o FESTA é um evento dedicado às famílias e decorre, no dia 08 de julho, sábado, a partir das 15 horas.

Durante um dia, com o pé na relva e os corações ao alto, celebra-se a língua, a música e a vida.

publicidade

O mais recente disco de Ana Moura, “Casa Guilhermina”, foi recebido com enorme entusiasmo pelo público e pela crítica, tendo sido apresentado no Super Bock em Stock. Voz de referência nacional, Ana Moura está a preparar uma performance inédita para os espetáculos de digressão, sendo dos concertos mais aguardados deste ano, no FESTA 2023 e em Portugal.

Selma Uamusse é a voz de Moçambique no FESTA. A sua versatilidade, o seu poderoso instrumento vocal e a sua genialidade performativa levaram-na a brilhar desde o rock (WrayGunn) ao afrobeat (Cacique’97), passando pelo gospel, pela soul e pelo jazz (Gospel Collective, tributos a Nina Simone e Miriam Makeba e Rodrigo Leão). Em nome próprio, Selma Uamusse é bem mais do que um mosaico ou uma colagem de todas as aventuras musicais e artísticas que viveu. ´

Luca Argel é a voz do Brasil no FESTA 2023. Sendo o Carnaval o maior evento realizado anualmente em Ovar, e o “samba” uma marca dos desfiles e de vivências diversas ao longo do ano, a apresentação do novo disco do cantautor – Sabina – é um desafio à descoberta da raiz do samba e um contributo para o reforço da dimensão histórico-cultural do Carnaval de Ovar, protagonistas e público.

Retimbrar fazem uma homenagem à música popular portuguesa com o novo disco “Levantar do Chão”, resultado de um percurso de colaborações com músicos ligados às tradições musicais portuguesas, grupos de Zés Pereiras e Ranchos Folclóricos. Para além do concerto de apresentação do novo disco, os Retimbrar vão dinamizar uma oficina com o Coro Jovem do Orfeão, envolvendo-o na dinâmica do evento e do espetáculo, tornando-o único e especial.

Mão Verde é um disco (e um livro) para crianças que, sendo para crianças, não se quer infantil. O disco tem música de Pedro Geraldes e lengalengas originais escritas e cantaroladas por Capicua. O nome nasce da expressão francesa “avoir la main verte”, que significa ter jeito para as plantas e talento para a jardinagem. Como uma celebração desse cuidado, Mão Verde tem uma clara motivação ecologista e vem despertar a atenção para o universo verde que nos rodeia. Uma dúzia de canções alegres, compostas com sensibilidade e humor, para falar de agricultura, natureza, alimentação e ecologia, numa abordagem tão inteligente quanto espirituosa do imaginário infantil. O enquadramento perfeito no cenário e no espírito do FESTA.

Banda Monte Cara vem ao FESTA apresentar o Projeto “Re: Imaginar Monte Cara” – novo disco – que recria a banda do “primeiro espaço” da cultura cabo-verdiana em Lisboa, o Monte Cara, e traz como convidados: Dany Silva e Leonel Almeida.

Quanto a “Batida”, que é o nome artístico de Pedro Coquenão, mostrará como um percurso em rádio, música, dança e artes plásticas e visuais pode confluir num DJ Set como o que fez desse performer, segundo a organização do festival, “o primeiro artista português e angolano a protagonizar uma sessão do Boiler Room”, projeto londrino de restritas atuações ao vivo para posterior difusão pela internet, por uma audiência mensal na ordem dos 72 milhões de seguidores.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo