LocalPrimeira Vista

Pão de Ló pode ser o doce ultracongelado que se segue (DA)

pão de lóA Associação de Produtores do Pão de Ló de Ovar lembra que esta alteração também consta do seu manual de especificações e lembra que após o processo de Indicação Geográfica Protegida (IGP)

Depois do anúncio de que a União Europeia aprovou o processo de ultracongelação dos Ovos Moles de Aveiro, a Associação de Produtores do Pão de Ló de Ovar lembra que esta alteração também consta do seu manual de especificações e lembra que após o processo de Indicação Geográfica Protegida (IGP), este será o passo a dar a seguir.

Aliás, conforme explica Rui Catalão, presidente da associação de produtores, “a ultracongelação já se encontra prevista no manual de especificações já aprovado pelo Estado português, no âmbito do processo de certificação”.
Portanto, em território nacional, já seria possível comercializar Pão de Ló de Ovar ultracongelado. Rui Catalão revela que o Pão de Ló oferecido aos atletas que participaram na última São Silvestre era ultracongelado e sê-lo-á de novo este ano.
O representante dos produtores do doce ovarense realça que “os ovos moles já são um IGP há cinco anos e esta recente aprovação foi o culminar natural de um processo”.

Rui Catalão diz que a ultracongelação era a resposta para exportar o Pão de Ló para países longínquos. A associação de produtores do Pão de Ló tem recusado encomendas devido ao facto de o prazo de validade do doce ser de apenas seis dias. “Tivemos que recusar pedidos de encomendas da China e da Coreia do Sul, que chegaram através do ICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, por exemplo, porque actualmente não temos condições de o fazer lá chegar em perfeitas condições.

Só através da ultracongelação será possível aceder a mercados longínquos. No mercado europeu, por exemplo, tornar-se-ia possível a comercialização o produto de uma forma efectiva, a começar pela diáspora portuguesa.
O equipamento que possibilita a ultracongelação está orçada em cerca de 250 mil euros, valor que é incomportável para a actual realidade da associação de produtores.

Rui Catalão lembra que o partido que está na Câmara Municipal de Ovar tinha a concretização deste desígnio no seu programa eleitoral. “Tenho o actual executivo como sendo de palavra e estou convencido que estão a trabalhar nesse sentido”, comenta.

(Ler in Diário de Aveiro)

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo