CulturaPrimeira Vista

Paulo Rocha pelo olhar de um aprendiz em ‘A Távola de Rocha’

DVD apresentado em Ovar

O filme “A Távola de Rocha”, estreado mundialmente em agosto de 2021, no festival de Locarno, uma primeira longa-metragem de Samuel Barbosa, explora o processo criativo de Paulo Rocha, realizador natural de S. Vicente de Pereira, através dos seus filmes, das suas personagens, dos artistas com que trabalhou, pessoas, épocas e paisagens do cinema de Paulo Rocha.

“Trilho os lugares por onde ele passou à procura de um filme”, diz o realizador Samuel Barbosa, narrador omnipresente, nos primeiros minutos desta longa-metragem dedicada à vida e à obra cinematográfica de um dos fundadores do Cinema Novo português.

Samuel Barbosa foi assistente de Paulo Rocha desde 2001, e a ideia de se fazer um filme biográfico chegou a ser falada entre ambos, mas o projecto mudaria de rumo quando Paulo Rocha morreu, em 2012, lê-se no dossier de imprensa.

Em “A Távola de Rocha”, Samuel Barbosa convoca algumas pessoas que trabalharam de perto com o realizador natural do concelho de Ovar, nomeadamente os actores Luis Miguel Cintra e Isabel Ruth, a escritora Regina Guimarães, e escuta-lhes histórias de bastidores dos filmes.

Uma dessas histórias é contada por Isabel Ruth, no jardim do Campo Grande, em Lisboa, percorrendo os mesmos passos de uma das cenas do filme “Os Verdes Anos” (1963). Era uma cena romântica e Isabel Ruth julgava que haveria um beijo com o ator Rui Gomes, que Paulo Rocha não quis que acontecesse.

“Que eu me lembre, acho que nunca vi um beijo num filme do Paulo Rocha”, verifica Isabel Ruth, a actriz que Paulo Rocha mais filmou ao longo da carreira e que fixou como um dos rostos do Cinema Novo.

No documentário, Samuel Barbosa expõe a sua própria vivência de trabalho com o cineasta e recupera declarações de Paulo Rocha, registadas em imagens de arquivo, a propósito do processo criativo.

Com recurso ao arquivo fílmico depositado na Cinemateca Portuguesa, é ainda aflorado o passado familiar, a relação com a mãe; são incluídos depoimentos do irmão e é traçada uma procura dos locais por onde Paulo Rocha passou no Japão, onde viveu como adido cultural.

Paulo Rocha, um cineasta “raro e secreto, autor de uma obra estilizada e contemplativa, cósmica e panteísta”, como escreveu a Cinemateca Francesa, morreu no final de 2012, deixando completo o filme “Se eu fosse ladrão… roubava”.

Este filme, no qual Paulo Rocha recuou às memórias da família e do seu cinema, foi exibido em 2013, em estreia mundial, precisamente no festival de cinema de Locarno, com o qual teve uma ligação desde o primeiro filme, “Os verdes anos”, premiado em 1964. Paulo Rocha, que estudou Direito em Lisboa e cinema em França, foi assistente de realização de Jean Renoir e de Manoel de Oliveira, e assinou outros filmes como “Mudar de vida” (1966), “A Ilha dos Amores” (1982), “A Raiz do Coração” (2000) e “Vanitas” (2004).

“A Távola de Rocha”, produzido pela Bando À Parte, teve estreia mundial no dia 08 de agosto do ano passado, em Locarno, na secção “História(s) do Cinema”.

A Bando à Parte, Lda., na qualidade de produtora do documentário cinematográfico, com o apoio da Câmara Municipal de Ovar, apresentou o DVD do filme “A Távola de Rocha”, que inclui extras não integrados na obra final, numa sessão que decorreu este sábado no Museu Júlio Dinis, em Ovar.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo